6 estratégias essenciais para conquistar a estabilidade financeira

Tudo bem que sua carreira já está em andamento, mas a tão sonhada estabilidade financeira ainda parece longe demais? Pois você precisa saber que é, sim, mais que possível alcançar esse objetivo mesmo diante da crise! Para isso, basta que adote as estratégias certas. Que tal começar agora? Confira aqui 6 dicas especiais para mudar a história da sua vida financeira!

1. Sistematize seu orçamento pessoal

Pode acreditar: a simples sistematização de um orçamento doméstico já costuma garantir uma média de 20% a 30% de redução nas despesas. Isso acontece porque se você tem ali bem visíveis todas as suas receitas e despesas, fica muito mais fácil separar o que é essencial do que é dispensável. Com isso, consegue fazer ajustes que se transformarão em mais dinheiro disponível no fim do mês. É isso: estabilidade financeira começa com organização.

2. Internalize a cultura da poupança

A cultura do investimento definitivamente não está no DNA da maioria dos brasileiros. E a grande razão para esse atraso é a falta de incentivo à educação financeira. A propósito, sabia que essa é uma disciplina oferecida desde a infância nas escolas de muitos países? Essa escuridão orçamentária pode começar a explicar por que nos Estados Unidos, por exemplo, 65% da população aplica recursos no mercado acionário, enquanto esse percentual não passa de 0,29% no Brasil.

A falta de hábito de poupar também explica, por exemplo, os dados obtidos em uma pesquisa recente do Banco Mundial, que revelou que 44% dos brasileiros consideram impossível levantar 2.500 reais no caso de uma emergência. O estudo mostra que o Brasil possui a 8ª população financeiramente mais despreparada do mundo. E isso se dá exatamente pela falta de uma cultura da poupança.

Pense bem: se por acaso precisasse, você conseguiria levantar esse valor agora? Uma resposta negativa a essa pergunta sinaliza que a prática de economizar deve ser internalizada o quanto antes. Esse é um passo imprescindível para tornar real seu sonho da estabilidade financeira! Nesse quesito, o recomendado é que um indivíduo guarde, mensalmente, ao menos 10% de seus rendimentos, sendo preciso reorganizar o orçamento para encaixar todas as despesas em 90% (ou, de preferência, menos) do salário.

3. Estabeleça metas para adquirir patrimônio

Não tem certeza se sua vida financeira está no rumo certo? Então vamos facilitar essa avaliação. Comece subtraindo sua idade atual da idade em que começou a trabalhar. O objetivo é entender quantos anos de trabalho você efetivamente possui. Em seguida, reduza o número encontrado a 10%, multiplicando o resultado obtido por 12. Por fim, multiplique o algarismo encontrado pelo valor do seu último salário líquido.

Supondo que você tem 35 anos, trabalha desde os 15 e seu salário líquido atual é de 5 mil reais, as contas ficam assim: 35 – 15 = 20; 10% de 20 = 2; 2 x 12 = 24 e 24 x 5.000 = 120.000. O resultado alcançado deve ser próximo do patrimônio que você tem hoje. Bateu? Se não, significa que você não conseguiu, ao longo da sua vida laboral, poupar nem a recomendada média de 10% dos seus ganhos. Se esse é seu caso, está na hora de virar o jogo! Estabeleça metas ousadas de médio e longo prazos, a fim de servirem como estímulo e referencial para que alcance a tão sonhada estabilidade financeira no futuro.

Quer um exemplo do poder da cultura do investimento em sua vida financeira? Se separar mensalmente mil reais para aplicar em um investimento de renda fixa, de rentabilidade hipotética de 1% ao mês, você terá, em 10 anos, mais de 230 mil reais. Nada mal, não acha?

4. Elimine dívidas atuais e evite futuras

Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), 58,2% das famílias estavam endividadas em setembro de 2016. E por mais que muita gente culpe a crise econômica nacional por esse alto percentual de endividamento, a verdade é que períodos de recessão apenas destacam as fragilidades previamente existentes na administração monetária de quem não tem uma vida financeira verdadeiramente organizada.

Imagine navegar em um bote remendado e com pás improvisadas. Nesse cenário, se cair uma tempestade, a embarcação certamente afundará. Concorda que a culpa não seria da chuva, mas sim do próprio remador, que não se preparou adequadamente para o que poderia acontecer em alto-mar? Quer se preparar para qualquer tempestade? Então o primeiro passo é abolir definitivamente as compras parceladas, os empréstimos e o perigoso crediário. Isso sem falar no pagamento mínimo do cartão de crédito!

Para você ter uma ideia, os juros do cartão de crédito rotativo chegaram a impressionantes 490% ao ano em março de 2017. Já os juros do cheque especial alcançaram os 328% anuais. E não existe a menor possibilidade de se alcançar a estabilidade financeira estando escravizado por juros compostos nesse patamar! Então adquira desde já o hábito de fazer compras apenas à vista! Assim, além de evitar o pagamento de juros, você ainda garante compras por valores menores — considerando o maior poder de barganha das aquisições à vista.

5. Troque compromissos mais caros

Acha que contrair uma dívida para quitar outra não faz sentido? Mas faz sim, só que em uma única situação: se você consegue trocar uma dívida mais cara por uma mais barata. Imagine que você está prestes a se afogar na areia movediça dos juros do cartão de crédito, a 40,8% ao mês, mas tem à sua disposição a possibilidade de obter crédito pessoal a 8% ao mês. Nesse caso, fazer uma dívida para pagar a outra é uma estratégia inteligente, o primeiro passo para construir uma sistemática de administração orçamentária e, assim, almejar um futuro financeiramente estável.

6. Invista na educação financeira

Agora temos a última, mas também a mais importante das dicas: invista em sua educação financeira. Pense bem: você entraria para voar em uma aeronave com pilotos iniciantes, sem nenhuma hora de voo no currículo? Certamente não! E a razão é simples: você sabe que conhecimento aprofundado é essencial para o sucesso de qualquer objetivo. E se pensa assim sobre outras áreas, por que seria diferente em sua vida financeira?

Se você quer adquirir estabilidade financeira, o marco principal dessa mudança em sua história é, portanto, investir em educação voltada às finanças. É justamente a falta desse conhecimento que faz com que a maioria dos brasileiros deixe seus recursos estagnados no estado vegetativo de uma caderneta de poupança — que, aliás, pode até apresentar rentabilidade real negativa!

Aprofundar seus conhecimentos no mercado financeiro, macroeconomia e estatística dará subsídios para que consiga entender a volatilidade do mercado e, a partir daí, tome decisões mais inteligentes, embasadas. Isso permitirá que você conheça o infinito de opções que vão muito além da poupança. Já ouviu falar, por exemplo, nos papéis do Tesouro Direto? Pois saiba que alguns deles alcançaram o impressionante desempenho de 47,81% em 2016, contra apenas 7,57% da caderneta de poupança.

Preparado para correr atrás da tão sonhada estabilidade financeira? Para não perder mais nenhuma dica sobre esse e tantos outros assuntos, siga nossos perfis nas redes sociais! Estamos no Twitter, no LinkedIn e no Facebook!

 

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"