Afinal, o que é autogerenciamento?

Diante de um mercado de trabalho cada vez mais exigente, o individualismo, a competição e a pressão por resultados se tornam ainda mais marcantes, transformando a inteligência emocional em um quesito indispensável a quem quer alcançar uma carreira de sucesso e um futuro promissor. O detalhe é que colocá-la em prática não é uma tarefa fácil! Para isso, é preciso investir em técnicas de autogerenciamento.

Quer entender melhor o que isso significa e como essa estratégia pode ser determinante para uma vida mais balanceada e uma carreira bem-sucedida? Acompanhe o nosso post!

Afinal de contas, o que é autogerenciamento?

O gerente de uma empresa precisa ter controle sobre todos os departamentos e administrar de forma eficiente toda as rotinas e responsabilidades desse local. Pensando nesse exemplo, é possível entender o conceito de autogerenciamento como nada mais que a capacidade de gerenciar a si mesmo, conhecendo suas forças e seus pontos fracos, tendo disciplina, comprometimento e organização para cumprir obrigações e controlar emoções.

Existe, portanto, uma correspondência entre o autogerenciamento e a automotivação, a autocrítica, a resiliência e a firmeza de propósito, elementos que formam a inteligência emocional.

No universo corporativo, isso está atrelado ao entendimento das expectativas da organização em relação à atuação de suas equipes. Assim, o profissional pode aperfeiçoar a própria performance, sempre com a intenção de superar tais expectativas por meio do talento e da determinação.

O autogerenciamento é, portanto, um dos pilares do plano de carreira e do plano de desenvolvimento individual, que devem considerar ambições, vocações, preferências e deficiências. Isso sem contar que suas técnicas também permitem que o profissional estabeleça metas pessoais com mais clareza, conquistando-as por meio um planejamento verdadeiramente eficaz — incluindo estratégias, ações e prazos a serem cumpridos. Forma-se, dessa maneira, um ciclo de aperfeiçoamento constante.

Como começar a colocá-lo em prática?

Principalmente, quando é preciso lidar com muitas demandas e exigências, trazer o autogerenciamento para o dia a dia pode ser a maior dificuldade dos profissionais. No entanto, colocar essa técnica em prática pode ajudar a aliviar todo esse peso e trazer outros benefícios no longo prazo. Confira nosso passo a passo e mãos à obra!

Conheça suas emoções

Inteligência emocional é a capacidade de ser mais perceptivo com suas emoções em vez de direcionar frustrações, raiva e até mesmo sentimentos que parecem inofensivos a outra pessoa ou situação. Autoconhecimento e autorregulação: essas são palavras-chave para quem deseja ter inteligência emocional.

Mas atenção: além de entender quais são suas habilidades, competências e limitações, conhecer a si mesmo também significa entender suas emoções e os gatilhos que as ativam. Por isso, no seu dia a dia, questione-se.

Procure identificar aquelas situações que te tiram do sério ou elevam sua satisfação e avalie tanto os comportamentos que dificultam sua melhoria como os que prejudicam seus relacionamentos ou seu desempenho profissional. E o mais importante: entenda o porquê de cada um deles! Essa autoconsciência o colocará no controle de suas emoções em todos os aspectos da sua vida.

Cuide dos seus relacionamentos

Ter empatia sobre o outro e capacidade de gerenciar seus relacionamentos (tanto na vida pessoal como no trabalho) também são elementos importantes da inteligência emocional. E essa capacidade está muito associada ao autoconhecimento, afinal, antes de lidar com as situações e desenvolver uma percepção sobre o mundo, é preciso entender a si mesmo e a responsabilidade das suas ações como parte de uma sociedade.

No ambiente de trabalho, por exemplo, quantas pessoas vivem estressadas por não conseguirem transmitir ao chefe ou aos colegas aquilo que as incomoda. Pior ainda, há quem se estresse por descontar no emprego problemas que afligem sua vida pessoal.

Entenda desde já: o autogerenciamento também está associado a uma mudança de postura diante das pessoas que o cercam. Saber ouvir, entender o posicionamento e a história de vida do outro e, diante dos conflitos, avaliar sua responsabilidade, repensando suas ações. Muitas vezes, deixar o orgulho de lado e partir para uma conversa franca é a melhor maneira de resolver situações que afetam seus relacionamentos e trazem um desgaste emocional desnecessário.

Reavalie suas metas

Viajar, entrar na academia ou fazer um curso de inglês: esses objetivos podem ser colocados em prática desde já! No entanto, metas relacionadas à carreira, como mudar de emprego ou conseguir uma promoção, não são imediatas. Elas precisam de dedicação e tempo. E para que esse tempo valha a pena e os resultados sejam os esperados, é preciso se planejar e, especialmente, reavaliar suas metas com frequência. 

Aqui surge uma dica de ouro: suas metas devem seguir a linha SMART — sigla para Specific (específica), Mensurable (mensurável), Attainable (atingível), Relevant (relevante) e Time-based (temporal). De acordo com esse modelo, uma meta como aprofundar os conhecimentos na sua área se transforma em começar uma especialização em gestão, com ênfase em negócios, finanças, marketing, pessoas e projetos, dentro dos próximos 3 meses. Percebeu a diferença?

É simples: em vez de criar metas abstratas, que podem ser realizadas em um futuro incerto e de muitas formas diferentes, você cria um objetivo visual, específico, relevante para sua carreira e mais fácil de ser realizado, já que conta com caminho e prazo estabelecidos. Dessa forma, você diz a seu subconsciente o que realmente quer e se predispõe a encontrar maneiras de alcançar esse objetivo.

Mantenha os pés no chão

Como complemento ao tópico anterior, é importante que seus propósitos também sejam realistas, possíveis de serem alcançados. Criar metas fora da realidade ou viver a vida sem manter o pé no chão não são características de quem se autogerencia. Isso sem contar que esse rumo costuma ser fonte de frustração.

O primeiro passo para fugir de comportamentos ilusórios consiste em encontrar respostas sinceras para questões envolvendo fortalezas e fraquezas tanto pessoais como profissionais. Exercer uma boa gestão sem ter a capacidade de se comunicar com clareza com as pessoas a seu redor, por exemplo, é quase impossível no mercado atual. 

Iludir-se, acreditando que o mundo se adaptará a você, é sinônimo de perda de tempo e energia. Melhor usar essa energia para investir em capacitação, em leitura, em conectividade, em programas culturais e em melhorias para si mesmo! Essa reavaliação também inclui uma mudança na maneira de pensar. Assim, em vez de criar objetivos sem sentido ou que correspondem a expectativas alheias, você deve olhar melhor para si mesmo, procurando entender o que é realmente importante.

Saia da sua zona de conforto

Não adianta conhecer técnicas de autogerenciamento se você continua incapaz de colocá-las em prática. Autogerenciar-se é um trabalho que exige foco, disciplina e, principalmente, persistência. Diante desse cenário, não há espaço para apatia, vitimismo e procrastinação. Lembre-se de que ações iguais produzem resultados iguais.

Vamos supor que você aspira um cargo melhor na sua empresa. O que é necessário para fazer isso acontecer? Capacitar-se, aprender um novo idioma, desenvolver novas habilidades? Corra atrás! Quanto mais conhecimento técnico você adquirir, mais próximo poderá ficar de conseguir essa promoção. Essa mudança comportamental é muito importante para todos os profissionais, pois propicia um aumento significativo da produtividade individual, impactando também no rendimento coletivo.

Não tem como escapar: para realmente entender o que é autogerenciamento, o profissional deve abandonar definitivamente sua zona de conforto, abrindo-se para novas possibilidades com disposição e sede de aprendizado.

Monitore seu desenvolvimento

Para acelerar a concretização das suas metas e manter a qualidade de suas ações, monitore sempre seu desenvolvimento. É importante nunca se contentar com resultados que não vão bem. Tenha em mente que tudo pode ser transformado, eliminado ou melhorado, por mais difícil que pareça a princípio.

No caso da sua carreira, assuma uma postura proativa, que inclui conhecer o mercado, identificar oportunidades, definir metas, estabelecer um planejamento, alimentar a automotivação, admitir falhas, evitar improvisos, monitorar seus resultados e, claro, corrigir erros. Com essa nova postura, por meio de empenho, foco, eficiência e consequente entrega de resultados realmente expressivos, você conseguirá alavancar sua carreira!

Busque ajuda quando preciso

Nem sempre é fácil entender a si mesmo ou manter uma atitude positiva. Nesses casos, quando as coisas parecem mais difíceis que o normal, procurar auxílio profissional pode ser a melhor solução. Escolher esse caminho permite que você construa uma visão mais realista sobre si mesmo.

Uma vez que as técnicas de autogerenciamento estão fundamentadas no autoconhecimento, trabalhar em parceria com um psicólogo ou um coach de carreira, bem como pedir feedbacks das pessoas próximas a você pode ajudar a identificar potenciais e limitações, inclusive dando aquele empurrãozinho que faltava para mudar aquilo que te impede de crescer.

Quais os resultados do autogerenciamento?

Diante de um mercado de trabalho cada vez mais exigente, a manutenção da empregabilidade e a conquista de novas oportunidades passam a depender da própria capacidade do profissional em se desenvolver e se destacar. Pensando nisso, autogerenciar-se é uma oportunidade de:

Desenvolver habilidades e competências

Acelerada pelo avanço da tecnologia, pela conectividade, pelo fácil acesso à informação e pelo surgimento de novas demandas e prioridades, a sociedade moderna está em constante transformação. E esse movimento automaticamente exige uma rápida absorção tanto do universo corporativo como do ambiente empreendedor.

Pode acreditar: pessoas que aplicam técnicas de autogerenciamento no seu dia a dia conseguem criar ou desenvolver habilidades com muito mais eficácia. Dentre as habilidades mais marcantes estão: o foco, a disciplina, a proatividade, o senso de oportunidade, a capacidade de realização e o poder de superação.

Ao reconhecer as próprias limitações, o profissional também passa a dedicar mais atenção ao planejamento e ao desenvolvimento de características específicas. Investe, então, em cursos de especialização, graduação, pós-graduação e idiomas, por exemplo, além de focar em competências como liderança, empatia, escuta ativa, persuasão e poder de decisão. Constrói, assim, um perfil mais completo, que atende às exigências do mercado.

Aumentar a capacidade de aprendizado

A essa altura, você deve ter percebido que todo processo de autogerenciamento passa por fases de conhecimento, seja sobre técnicas da profissão, sobre o mercado, sobre metas pessoais ou, o mais importante, sobre si mesmo. Justamente nesse contexto, é fundamental desenvolver o equilíbrio e o amadurecimento. Para chegar a esse patamar, é preciso passar por um processo de aprendizado baseado no autoconhecimento para então construir um modo diferente de pensar e reagir aos acontecimentos do cotidiano.

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, aprender é um exercício de disciplina que leva tempo. Pense bem: ninguém se torna especialista em determinada área, aprende uma nova língua ou se transforma em um guru espiritual da noite para o dia. É preciso praticar e corrigir falhas diariamente.

De fato, autogerenciar-se envolve aumentar todos os dias seu poder de aprendizado, transformando essa experiência em uma jornada transformadora, um exercício de disciplina que trará resultados positivos em todos os aspectos da sua vida!

Melhorar o desempenho profissional

Independentemente da meta estabelecida, o autogerenciamento passa a ser um grande aliado na reorganização das tarefas, na definição de prioridades, na administração do tempo e, em especial, na adoção de um comportamento mais confiante para conseguir alcançar o objetivo.

Juntos, todos esses elementos se traduzem em uma visível melhora no desempenho do profissional. Com eles, há um aumento significativo da produtividade, da motivação com o trabalho e de uma atuação de destaque, facilitando a conquista de novas oportunidades de ascensão e permitindo que o profissional assuma de vez o protagonismo da sua própria carreira em vez de simplesmente ficar à mercê das oportunidades.

Ganhar satisfação pessoal

Além de todos os benefícios já citados neste post, técnicas de autogerenciamento ainda garantem mais satisfação pessoal. Afinal, como o planejamento das metas é feito com base no autoconhecimento, há, assim, um alinhamento entre motivações, princípios, valores pessoais e a própria carreira. Dessa maneira, o profissional se torna mais comprometido e engajado com seus objetivos.

Tais técnicas também permitem que o profissional canalize suas energias de forma positiva, tornando-se, assim, uma pessoa capaz de produzir mais e melhor, explorando suas competências e evitando distrações. Outro aspecto importante do autogerenciamento é que ele envolve uma nova visão sobre os fatos do dia a dia, tornando o indivíduo mais positivo e pronto para enfrentar as adversidades, bem como mais proativo e satisfeito consigo mesmo.

Fortalecer o plano de carreira

Por último, vale salientar que o conceito de sucesso pode ter diferentes definições, variando de indivíduo para indivíduo e de momento para momento. Afinal, essa percepção está diretamente vinculada a perspectivas, crenças e valores pessoais.

Um dos maiores benefícios do autoconhecimento associado a técnicas de autogerenciamento é visto em forma de capacidade de traduzir essa definição para o profissional em planos de carreira e de vida precisos. Dessa forma, é possível garantir uma trajetória vitoriosa para todos aqueles que realmente entendem quem são e qual é a importância de se melhorarem em prol do crescimento e do desenvolvimento profissional.

Gostou das nossas dicas sobre o autogerenciamento? Quer entender mais sobre esse e outros assuntos? Aproveite para assinar a nossa newsletter e receber atualizações sobre o tema em primeira mão!

5 Comentários

  1. Excelente Postagem! Autogerenciamento é tudo!

  2. Elenilde Aparecida Guerrasays:

    Excelente! Muita informação.

    • Isadora Gontijosays:

      Elenilde,

      Agradecemos seu elogio. Você pode assinar nossa Newsletter e quinzenalmente enviaremos outros posts do Blog com variados assuntos sobre gestão.
      Em caso de dúvidas estamos à disposição.

      Isadora Gontijo – Fundação Dom Cabral

  3. Claudiasays:

    Excelente dica para se destacar e ser diferencial indepensente da area em que atua um profissional. Foco,força e objetivo.

    • Isadora Gontijosays:

      Cláudia,
      Agradecemos seu elogio. Você pode assinar nossa Newsletter e quinzenalmente enviaremos outros posts do Blog com variados assuntos sobre gestão.
      Em caso de dúvidas estamos à disposição.

      Isadora Gontijo – Fundação Dom Cabral

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"