Conheça os 11 melhores CEOs do Brasil e se espelhe neles

Você vive buscando inspiração em figuras públicas pelo mundo afora, a fim de se espelhar nelas e, quem sabe, seguir seus passos rumo ao sucesso? Pois saiba que definitivamente não está sozinho nessa procura! O detalhe é que a maioria dos brasileiros costuma procurar essa motivação em figuras internacionais, sem sequer se darem conta de que nosso país é berço de profissionais excepcionais.

Pense por um minuto: quantos CEOs brasileiros você consegue enumerar? Que tal acrescentar nomes de peso à sua lista? Separamos aqui os 11 maiores CEOs do Brasil e as principais lições que podem ser aprendidas com eles! Curioso? Então confira!

Quem são os maiores CEOs do Brasil?

1. Bernardo Pinto Paiva

Bernardo Pinto Paiva é carioca, formado em Engenharia e com um MBA executivo. Fez carreira na Ambev, onde começou a trabalhar como trainee em 1991. Foi crescendo aos poucos dentro da empresa, até chegar ao cargo de CEO, em janeiro de 2015.

Sob sua gestão, a empresa obteve um aumento de mais de 8% em sua lucratividade e também no faturamento. E um dos principais fatores responsável por proporcionar todo esse sucesso é a longevidade da sua trajetória. Afinal, foi com o passar do tempo que Bernardo conseguiu compreender melhor a Ambev, chegando ao ponto de desenvolver uma visão sistêmica da empresa que lhe permitiu tomar decisões de forma mais efetiva.

2. Claudio Bergamo

Desde 2007, Claudio Bergamo é CEO da Hypermarcas, sendo que, entre os anos de 2011 e 2012, conseguiu levar a empresa a um aumento de quase 57% no lucro e cerca de 10% no faturamento. Indo além dos bons resultados, Claudio também demonstra versatilidade como gestor.

Na estratégia da empresa, já implementou 3 fases muito diferentes: um período de expansão, um período de reorganização e um período de crescimento orgânico. Mantém-se a par de todos os negócios da companhia, que atua em segmentos extremamente distintos — que vão de adoçante a remédios antigripais.

3. Paula Bellizia

A CEO Paula Bellizia comanda a maior filial da Microsoft na América Latina. Sob sua gestão, a empresa está investindo cada vez mais na computação em nuvem e na criação de estratégias de empoderamento para mulheres e jovens carentes. Entre as principais iniciativas lideradas por ela estão a campanha Eu posso programar para meninas, que ensina programação para mulheres de todo o país, e a Jornada Empreendedora, conjunto de ações que se propõe a criar oportunidades empreendedoras para os jovens desde o ensino básico.

Em seu histórico profissional, Paula acumula ainda um cargo de gerente de vendas no Facebook e um cargo de gerente regional na Apple. Toda essa experiência garantiu expertise e confiança do mercado. Mas o que realmente é marca da sua gestão é o pensamento fora da caixa. Uma de suas propostas é adotar o conceito de growth mindset, em que compartilha com os colaboradores a ideia de que é possível aprender diariamente.

4. Cledorvino Beline

Cledorvino Belini não só integra o conselho executivo mundial da Fiat Chrysler Automobiles desde 2009 como é CEO da divisão da América Latina da marca. Mas sua história na empresa é bem mais antiga, tendo começado a trabalhar na FCA em 1973.

A maior preocupação de Cledorvino é com a liderança. Para ele, os ativos mais importantes de uma organização são as pessoas. Acredita que a mudança e a inovação são indispensáveis para a gestão e que o líder deve constantemente adquirir e aprimorar competências ao longo da carreira. Anotou a receita do sucesso?

5. Benjamin Steinbruch

Benjamin Steinbruch nasceu no Rio de Janeiro e cursou Administração. Seu pai, Mendel Steinbruch, foi cofundador do Grupo Vicunha, maior grupo de empresas do segmento têxtil da América Latina. Já Benjamin levou sua carreira para outro lado, tornando-se o principal acionista da Companhia Siderúrgica Nacional e também CEO do Banco Safra no período de 2008 a 2011. Nesses anos sob sua gestão, o banco conseguiu faturar nada menos que 200 milhões de reais.

Uma característica marcante de Steinbruch em seu trabalho é sempre almejar fazer mais. Segue à risca, portanto, o conselho que um rabino lhe deu quando ainda era jovem: “faça tudo mais um pouquinho”.

6. Renato Alves Vale

Renato Alves Vale se graduou em Engenharia Civil e seguiu carreira no Grupo CCR, que atua como concessionária de rodovias e aeroportos. Em 1999, Renato tornou-se o CEO do grupo e, consequentemente, líder de uma equipe com mais de 12 mil profissionais.

Foco em governança corporativa, eficiência e retorno aos acionistas são algumas das marcas da sua gestão. Mas Renato também demonstra preocupações que vão muito além. Ao longo de 12 anos, o Grupo CCR tem levado auxílio financeiro a projetos sociais, esportivos, culturais e educativos. Nesse tempo, o auxílio ultrapassou 160 milhões de reais. Para completar, Renato incorporou a sustentabilidade aos objetivos e às diretrizes da empresa.

7. Carlos Ghosn

Carlos Ghosn nasceu em Rondônia e se formou em 2 universidades francesas extremamente renomadas: a École Polytechnique e a École des Mines. Trabalhou por 18 anos na Michelin, antes de ser contratado pela Renault como VP de várias áreas — inclusive compras e manufatura. Também foi encarregado da gestão da divisão sul-americana da empresa.

Carlos fez um trabalho amplo de reestruturação da Renault, recuperando a lucratividade da empresa em apenas um ano. É conhecido até na mídia por sua assiduidade no trabalho. Além disso, Ghosn viaja constantemente a trabalho entre Paris e Tóquio e ainda fala fluentemente 4 idiomas: francês, português, inglês e árabe.

8. Cristina Palmaka

Cristina Palmaka é um dos nomes mais importantes da Tecnologia de Informação no Brasil. À frente da empresa SAP Brasil, subsidiária da companhia alemã SAP SE, especializada no desenvolvimento de softwares de gestão, a CEO teve o desafio de adequar a necessidade de transformação global da companhia à realidade do mercado brasileiro.

Para chegar a esse objetivo, a empresa passou a investir massivamente nos serviços de nuvem e suprir demandas do mercado nacional com pesquisas na área de Big Data e Inteligência Artificial. Com sucesso, essa estratégia levou Palmaka ao título de uma das 25 maiores CEOs do país em 2017, de acordo com a Forbes.

9. Roberto Egydio Setubal

Roberto Egydio Setubal nasceu em São Paulo e se formou pela Escola Politécnica da USP, obtendo também um mestrado em Engenharia pela Universidade de Stanford.

Com seu trabalho como CEO do Banco Itaú, conseguiu elevar o capital da empresa de 2 bilhões para impressionantes 100 bilhões de reais em um período de 17 anos. Assim, o Itaú passou a figurar na lista das 10 maiores instituições financeiras do mundo, além de ter sido eleito 4 vezes como principal banco da América Latina. Sabia que o próprio Roberto atribui seu sucesso à preocupação com o desenvolvimento de talentos?

10. Carlos Brito

Carlos Brito nasceu no Rio de Janeiro e se formou em Engenharia Mecânica, tendo depois recebido o título de mestre em Administração de Empresas pela Universidade de Stanford.

Atualmente, Carlos é CEO da AB InBev. Logo ao assumir o cargo, implantou uma política de corte de custos, liderando a empresa rumo ao crescimento. Foi em sua gestão que a fusão entre a Ambev e a empresa americana Anheuser-Busch aconteceu, uma negociação de 52 bilhões de dólares. Segundo Carlos, o sucesso vem da própria cultura da organização, já que pessoas ótimas atraem pessoas ótimas.

11. Maurício Novis Botelho

Maurício Novis Botelho nasceu no Rio de Janeiro e estudou Engenharia Mecânica, além de ter feito vários cursos nas áreas de finanças e administração. Depois de construir uma carreira como diretor de várias empresas, tornou-se CEO da Embraer.

Nessa posição, seu trabalho focou na reorganização da empresa após sua privatização, tendo conseguido estabelecer uma nova cultura corporativa ao transformar a satisfação do cliente na maior prioridade do negócio. Assim, reposicionou completamente a empresa no mercado.

O que é possível aprender com esses profissionais?

Definitivamente não é fácil definir quem é o melhor profissional em sua função, principalmente em áreas que envolvem negócios, em que tantos brasileiros têm se arriscado e conquistado feitos impressionantes. No entanto, os exemplos deste post têm se destacado no cenário nacional graças às lições valiosas que deixam para outros líderes. Confira algumas!

Exercite a paciência

Para quem quer alçar voos maiores dentro da empresa onde trabalha, paciência é uma virtude essencial. É comum vermos por aí notícias com histórias impressionantes de jovens que chegaram a cargos de liderança máxima de empresas em um curto espaço de tempo. Isso realmente acontece, mas é exceção. Assim, a ideia de que essa é a realidade do mercado está completamente errada.

Bernardo Pinto Paiva, por exemplo, citado no início deste texto, levou 24 anos para chegar ao posto de um dos maiores CEOs do Brasil. Esse tempo, que para alguns parece uma eternidade, levando à desistência no meio do caminho, para ele foi uma oportunidade de conhecer a fundo a empresa onde trabalha, preparando-se para realmente exercer uma boa gestão.

Busque se capacitar

Se você observar bem, verá que os maiores CEOs do Brasil citados anteriormente são pessoas com expertise em sua área de atuação e domínio de outros idiomas. Isso mostra que, além de uma visão inovadora e uma capacidade inquestionável de liderança, todo gestor de sucesso precisa de um requisito básico: conhecimento.

Para chegar onde sonha, você precisa se capacitar. E não apenas no seu mercado, mas em assuntos ligados aos cenários político e econômico mundial, em tecnologia, em outras línguas, em técnicas de comunicação empresarial e assim por diante. Geralmente, quem já atua em cargos de liderança sente no dia a dia o que pode tornar sua gestão melhor ou trazer possibilidades de crescimento. Já percebeu o quanto a capacitação pode impactar sua carreira positivamente? Então por que ainda está perdendo tempo?

Perca o medo

Hoje em dia, os hábitos de consumo não são mais os mesmos. Aliás, os próprios consumidores não são mais os mesmos! Essa realidade torna o tradicionalismo uma ideia perigosa em determinados aspectos, principalmente diante de um mercado que está ávido por inovação.

Nesse cenário, é importante entender que mesmo que uma empresa já tenha uma cultura estabelecida ou tenha um posicionamento no mercado que se mantém igual há anos, vale rever. Se perceber que as coisas por esse caminho não estão dando mais certo, não tenha medo de fazer mudanças e reposicionar a marca no mercado!

Conheça o negócio

Claudio Bergamo, CEO da Hypermarcas, mantém-se a par de todos os negócios da companhia mesmo ela sendo um conglomerado que se relaciona com centenas de empresas da indústria farmacêutica. Ter essa visão ampla, conhecendo todo o negócio, é fundamental até para quem ainda não chegou a um cargo de CEO.

Muitos gestores acabam focando exclusivamente no seu setor ou em sua área de atuação, esquecendo que uma empresa é como o corpo humano, que precisa de todos os seus órgãos funcionando perfeitamente para se manter viva.

Acredite nas pessoas

O relacionamento que uma organização cria com seu público tem tudo a ver com a forma como sua cultura organizacional é criada e disseminada. E o gestor desempenha um papel essencial na construção desse conceito.

Aqueles que conseguem criar um ambiente inspirador e, acima de tudo, acreditam nas pessoas com que se relacionam, reconhecendo tanto os colaboradores quanto os clientes como partes fundamentais do seu processo de crescimento têm mais chances de prosperar no mercado.

Escute o cliente

Para Cristina Palmaka, o maior segredo para ter sucesso no mercado é escutar o cliente e saber quais são suas prioridades. É importante lembrar que, além de manterem a sobrevivência de uma marca, os consumidores são os melhores (e maiores) agentes de propaganda que ela terá. Para oferecer exatamente o que essas pessoas desejam, é preciso escutá-las.

Essa comunicação pode ser feita por meio de pesquisas, de dados primários vindos da observação de comportamentos no dia a dia, de um relacionamento nas mídias sociais ou de onde mais for possível. O importante é não negligenciar esse aspecto, mesmo que seu cliente já esteja fidelizado.

Tenha responsabilidade social

O consumidor moderno tem uma visão muito mais abrangente sobre as empresas de quem consome. Seguindo essa ideia, o Grupo CCR, liderado por Renato Alves Vale, mudou toda a sua imagem no mercado ao investir em ações sociais e em sustentabilidade ambiental, incorporando esse posicionamento como uma diretriz da empresa. Hoje, boa parte das marcas tem feito o mesmo.

Fidelizar um cliente não se trata apenas de oferecer um produto de qualidade por um bom custo-benefício. Hoje, o consumidor quer consumir de marcas com um propósito que vá além dos lucros, visando a satisfação dos colaboradores, o desenvolvimento da sociedade e o bem-estar das gerações futuras.

E então, gostou de conhecer os maiores CEOs do Brasil? Então não deixe de compartilhar este post nas redes sociais para que seus amigos também os conheçam!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"