Downsizing com foco em custos: entenda como deve ser feito

A burocracia e o excesso de custos são alguns dos problemas que mais travam o crescimento de uma empresa. Uma técnica muito utilizada pelos gestores para reduzir essas duas barreiras é o downsizing. Criada nos Estados Unidos na década de 70, seu principal objetivo era diferenciar as empresas da concorrência, mas chegou ao Brasil com o intuito de reduzir a estrutura burocrática das organizações.

Neste post, vamos explicar como funciona o downsizing, quais os seus benefícios e como aplicá-lo de maneira positiva na sua empresa. Ficou interessado? Então continue a leitura!  

O que é downsizing?

Antes de explicarmos como aplicar essa técnica na sua empresa, é preciso entender o que, de fato, significa downsizing. Traduzindo para o português, essa palavra pode significar diminuir tamanhos, achatar, encurtar. Na prática, a técnica é direcionada para a redução de tudo aquilo que é menos estratégico em uma empresa: gastos, estrutura, processos e capital humano. Ou seja, torná-la mais prática e gerenciável.

A técnica é aplicada no Brasil desde os anos 80 e há dois tipos bem distintos: o downsizing reativo e o estratégico. Como o nome antecipa, o primeiro envolve uma reação sem planejamento em relação aos cortes da empresa, em que os mais afetados acabam sendo os colaboradores, já que a sua principal ação consiste nas demissões em massa.

Já o segundo tipo vai pelo caminho oposto. Com ele, é feito um planejamento detalhado sobre os custos e o que pode ser reduzido, sem implicar em consequências negativas para a equipe ou para o crescimento da organização.

Como aplicá-lo na sua empresa?

O downsizing pode ser uma prática temporária ou permanente, realizada em diferentes setores da empresa ou apenas em um. Tudo vai depender das demandas e necessidades dela. O mais importante é que tenha um caráter estratégico, em vez de reativo — ou seja, tenha planejamento na sua implementação. Para isso:

  • analise os custos e os indicadores, avaliando quais gastos e despesas podem ser reduzidos e quais indicadores precisam de mais atenção;

  • verifique quais serviços terceirizados são realmente necessários para o funcionamento do seu negócio e o que é dispensável;

  • busque simplificar a sua estrutura, identificando cargos e posições hierárquicas que não agregam valor à empresa como um todo;

  • reavalie o desempenho pessoal da equipe e estabeleça critérios de melhoria que evitem demissões desnecessárias.

Quais as vantagens e desvantagens desse método?

Como toda estratégia organizacional, o downsizing vem acompanhado de vantagens e desvantagens. Ao longo dos anos, muitos estudiosos de administração, incluindo um dos seus criadores, Robert Tomasko, se posicionaram contra o direcionamento que o método tem seguido e sobre a forma que as empresas o estão interpretando.

Uma das principais críticas está na demissão em massa como única estratégia para o corte de custos, algo que nem sempre é vantajoso para a empresa e para o mercado. Por essa razão, antes de aplicá-lo, os gestores precisam ter um planejamento claro e uma análise realista sobre o valor agregado aos resultados que o downsizing trará.

Sem essa preparação, a empresa corre o risco de sair cortando elementos necessários para o seu crescimento e pode acabar com o desempenho dos seus profissionais. Dito isso, confira quais são as principais vantagens e desvantagens dessa metodologia:

Redução de custos e despesas desnecessárias

A principal vantagem do downsizing está na redução de custos e despesas nas empresas. Ao avaliar indicadores, verificar a viabilidade da terceirização de determinados serviços, diminuir a sua estrutura e eliminar cargos desnecessários, a companhia elimina o excesso e ganha um posicionamento mais estratégico no mercado.

Oportunidade de expansão

A curto prazo, o downsizing traz um enxugamento da estrutura organizacional e uma reestruturação que facilita a expansão no mercado com o passar do tempo. Ao reduzir custos e processos desnecessários, a empresa passa a investir naquilo que impulsiona seu crescimento: modernização de setores, aprimoramento de produtos e serviços, melhora na comunicação interna e com o consumidor e eliminação da burocracia que trava a tomada de decisões.

Corte de colaboradores

Uma das principais desvantagens do downsizing reativo é que a sua metodologia envolve a diminuição total do tamanho organizacional. E em muitos casos, a única saída para as empresas são as demissões. É importante lembrar, no entanto, que essa não é uma regra que vale para todas.

Além de trazer prejuízos pessoais para os funcionários, é preciso ter em mente que demissões envolvem despesas com acertos trabalhistas e rescisões. Elas também significam perda de experiência produtiva e conhecimento que os seus talentos já têm para lidar com as atividades e processos. Por isso nem sempre demitir é a melhor opção.

Antes de investir no corte de colaboradores, analise quais custos administrativos podem ser cortados antes ou avalie outras opções, como transferências de setores, incentivo à aposentadoria, treinamentos que melhorem a qualidade do trabalho dos seus profissionais e interrupção de novas contratações. Ou seja: tenha um planejamento claro antes de tomar qualquer decisão!

Desmotivação de profissionais e queda na produtividade

Outra desvantagem marcante do downsizing pode ser a queda na produtividade da equipe, causada por uma desmotivação com os cortes realizados na empresa. É preciso lembrar que, muitas vezes, a redução de material, investimentos e salários e as próprias demissões afetam a satisfação com o trabalho e aumentam o nível de estresse dos colaboradores.

Por isso, tenha como etapa do seu processo a realização de um trabalho motivacional, que acalme os ânimos e recupere o clima positivo da sua organização. Tenha sempre em mente que empresas são feitas por pessoas e que, se elas não dão o melhor de si, nenhum processo vai para frente.

Perda de reputação no mercado

Demissões mal planejadas podem vir associadas a processos judiciais e ações trabalhistas, algo que compromete a imagem da empresa no mercado, além de criar uma fama de má empregadora, diminuindo o interesse de profissionais em trabalhar ali. Em consequência, até os resultados financeiros podem ser afetados. Isso acontece porque boa parte da clientela já está utilizando a Responsabilidade Social Empresarial de uma marca como um dos principais critérios de consumo. Fique atento!

E você, está pensando em implementar o downsizing na sua empresa? Antes de tomar a sua decisão, confira como estruturar uma equipe de sucesso que atenda aos seus objetivos e evite demissões desnecessárias!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"