Entenda as diferenças: pós-graduação lato sensu e stricto sensu

Depois de se formar e entrar para o mercado de trabalho, chega uma hora em que é preciso um empurrãozinho para continuar subindo na carreira, não é verdade? Afinal de contas, tanto o nível de escolaridade dos brasileiros como a exigência das empresas na hora de contratar aumentaram significativamente nos últimos anos.

Nesse cenário, quem não investe no aprimoramento de suas habilidades profissionais corre o risco de ficar para trás na corrida pelas melhores oportunidades de trabalho. Aí entra a pós-graduação, que pode ser justamente o que faltava para você ir adiante.

Mas você por acaso sabe quais são os caminhos possíveis para quem quer voltar para a estudar? Quando se fala em pós-graduações em geral, especialização, mestrado, MBA e doutorado são termos bastante conhecidos. O que muita gente desconhece, entretanto, é que cada um desses cursos está classificado como stricto ou lato sensu, conforme as diretrizes educativas ditadas pelo Ministério da Educação.

Dentro desse contexto, como escolher a pós-graduação mais alinhada a seus objetivos de carreira, aquela que pode, de fato, ajudá-lo a chegar mais perto de onde você deseja estar profissionalmente? Stricto ou lato sensu? Afinal, qual a diferença entre elas?

Como esse é o tipo de dúvida que ronda a mente de muitas pessoas, resolvemos explicar, no post de hoje, a diferença entre a pós-graduação lato sensu e a stricto sensu, ajudando-o a se decidir pela melhor opção de acordo com seus objetivos. Acompanhe os próximos tópicos e descubra para onde o futuro pode te levar!

As diferenças entre lato e stricto

Inicialmente, os termos em latim podem até confundir, mas a realidade é que a diferença entre esses 2 tipos de pós-graduação não é assim tão complicada. Enquanto lato quer dizer em sentido amplo, stricto significa algo mais restrito. Assim, se no primeiro tipo de pós o estudante faz um trabalho mais abrangente e, por consequência, menos intenso, no segundo, a ideia é se aprofundar bastante, mesmo que em um assunto mais limitado.

Para o Ministério da Educação, essa diferença afeta também as exigências para cada um desses cursos. Na pós lato sensu, por exemplo:

  • o curso deve ter um mínimo de 360 horas de aula;

  • 50% dos professores devem ter título de mestre ou doutor (ou seja, ter feito uma pós stricto sensu) e os outros 50% devem ter pelo menos uma especialização (ou pós lato sensu);

  • ao final, os estudantes recebem um certificado de conclusão, que não é válido como diploma.

Já na pós stricto sensu, as exigências do MEC são as seguintes:

  • os cursos de mestrado devem ter duração mínima de 2 anos e os de doutorado, de 4 anos;

  • todos os professores precisam ter diploma de pós-graduação stricto sensu;

  • após a aprovação da dissertação (para o mestrado) ou da tese (no doutorado) por uma banca avaliadora, o aluno receberá um diploma, assim como o título de mestre ou doutor.

Os tipos de pós-graduação lato sensu

Depois de conhecer as diferenças básicas entre os 2 grandes tipos de pós-graduação, vamos ver mais a fundo como cada um deles funciona. Começando pela lato sensu, já podemos adiantar que, aqui no Brasil, existem 2 rotas possíveis para quem opta por esse tipo de curso. Vamos ver quais são elas?

Especialização

Voltada para os profissionais que já têm experiência e algum conhecimento prático em sua área, esse curso é desenhado para promover um maior aprofundamento no assunto ou para se adquirir habilidades relacionadas a outro setor.

Para entender melhor, tente se lembrar de quando você saiu da faculdade: provavelmente, durante a graduação, aprendeu sobre diferentes trabalhos que podem ser realizados na sua área, mesmo que tenha feito estágio ou monografia em um campo mais específico, certo?

Na especialização, a ideia é que, depois de começar a trabalhar, você consiga escolher um desses campos para seguir e, assim, ganhar conhecimentos mais sólidos para continuar subindo na carreira. Da mesma forma, quem decide trocar de área após começar a atuar no mercado também pode usar esse tipo de pós como porta de entrada para tal mudança.

Se quiser tirar suas dúvidas e saber mais sobre como essa formação pode ajudá-lo na prática, vale a pena conferir também este depoimento de uma aluna de especialização em Gestão!

MBA

Do inglês Master of Business Administration, esse é um tipo de pós-graduação em Gestão de Negócios que, apesar do nome, não é considerado mestrado no nosso país. Na verdade, o curso é originário dos Estados Unidos, onde as exigências para o Master são um pouco diferentes das nossas em relação à pós stricto sensu.

Há 2 tipos de MBA: um de duração mais longa e com mais exigências de dedicação (o tradicional), e outro (chamado de Executive) mais flexível, pensado para quem precisa conciliar os estudos com uma carreira atribulada.

De uma forma ou de outra, o importante é saber que o MBA é o caminho ideal para líderes e gestores com alguma experiência e a intenção de conquistar uma formação de caráter internacional (alguns cursos oferecem, inclusive, módulos no exterior), bem como aprofundar seus conhecimentos sobre negócios.

Ainda vale lembrar que tanto a especialização quanto o MBA também podem acontecer em cursos a distância ou de forma semipresencial, viu?

Os degraus da pós stricto sensu

Se a pós-graduação lato sensu visa aperfeiçoar e desenvolver certas habilidades em profissionais atuantes para que apliquem tais conhecimentos em suas rotinas profissionais e cresçam em suas áreas, a pós stricto sensu é conhecida por ser mais acadêmica, com foco em pesquisa e desenvolvimento. Mas nem sempre é assim. Continue acompanhando a leitura e descubra as trilhas disponíveis para você nessa estrada!

Mestrado

A pós-graduação stricto sensu começa pelo mestrado, um curso com duração de 2 anos que termina na defesa de um trabalho de dissertação diante de uma banca examinadora. Aqui, você pode escolher entre 2 tipos de mestrado, cada um com um foco:

  1. mestrado acadêmico, ideal para quem se dedica muito ao trabalho teórico, de leitura e pesquisa, e gostaria de seguir na universidade (como pesquisador ou professor, por exemplo);

  2. mestrado profissional, que se concentra na prática, isto é, na aplicação do conhecimento no mercado de trabalho, sendo muito mais aprofundado que a especialização por cumprir com as exigências stricto sensu.

Ambas as opções conferem ao estudante o título de mestre no final do curso, dando a ele o direito de seguir adiante pelo doutorado.

Doutorado

Ponto alto de quem elege seguir uma carreira universitária, o doutorado dura 4 anos e exige a elaboração de uma tese para que o aluno obtenha o título de doutor. A tese consiste em uma pesquisa em torno de uma hipótese inédita, que ainda não foi levantada nem testada por ninguém.

Nessa etapa da pós-graduação, o trabalho é extremamente teórico. Por isso, o curso tem mais validade para quem deseja tornar-se pesquisador ou professor ou, ainda, para quem trabalha em laboratórios ou no desenvolvimento de produtos que exigem investigações científicas, por exemplo. É o caso das indústrias agrícola, farmacêutica e de biotecnologia, por exemplo.

Depois, você também pode seguir estudando no pós-doutorado, que não dá nenhum título extra. Não existe, então, ninguém que é pós-doutor, ok? Justamente por isso, uma pessoa pode ingressar em quantos pós-doutorados sucessivos quiser, cada projeto tendo uma duração específica e não havendo nenhuma regra que determine um período mínimo. Assim, há pós-doutorados que duram 1, 2 ou até mesmo 5 anos!

Essa extensão tem por objetivo aprofundar o conhecimento, elaborar pesquisas e solicitar patentes de produtos, sendo mesmo o último degrau na escadinha dos estudos. Até lá, você ainda tem bastante chão para percorrer e muitas conquistas a alcançar!

A escolha da opção ideal

No fim das contas, qual a melhor opção: uma pós-graduação stricto ou lato sensu? Pois se você acompanhou a leitura do post até aqui, provavelmente já sabe que a resposta para essa pergunta é: depende. Na verdade, nenhum dos 2 tipos de pós-graduação apresentados é melhor que o outro. Tudo depende dos objetivos de cada pessoa e dos rumos que ela deseja dar à sua carreira.

Por isso, antes de qualquer coisa, é importante ter muita clareza sobre o que você quer. Deseja um maior aprimoramento profissional na área em que já atua ou está mesmo é com vontade de seguir outro caminho e aprender sobre novas possibilidades profissionais no seu ramo de atuação? Pode ser também que você esteja interessado em pesquisar mais a fundo determinado conceito ou teoria ou mesmo desenvolver um novo produto.

Tendo suas metas profissionais consolidadas, fica muito mais fácil acertar na hora de se decidir sobre o tipo de pós-graduação ideal para você. Caso seus objetivos não estejam lá muito claros, tire um tempo para refletir sobre o assunto, converse com pessoas que possam ajudar e busque por referências. Lembre-se: estamos falando do seu futuro profissional. Por isso, nada de pressa ou afobação!

Dessa forma, você garantirá mais segurança e precisão em sua escolha. E acredite: ter paciência e manter a calma nesse momento pode poupar não só muito tempo e dinheiro como também frustrações futuras!

As indicações para a pós lato sensu

Se você fizer o exercício proposto no tópico anterior e chegar à conclusão de que o que você deseja para sua carreira é galgar degraus dentro da organização onde trabalha, conquistar aquela vaga dos sonhos em outro lugar, buscar uma recolocação no mercado de trabalho, estar por dentro de tudo o que há de mais atual em seu ramo de atuação ou mesmo mudar de área, investir em uma pós lato sensu é, sem dúvida, a melhor opção.

Isso porque tanto as especializações quanto os MBAs (caso você seja um líder ou gestor) possuem um foco bastante dirigido a uma determinada área ou assunto. Gestão, Marketing, Finanças e tantas outras possibilidades são tratadas de maneira bastante objetiva e certeira.

Além do mais, apesar de conceitos teóricos serem apresentados e discutidos em sala de aula, muito do aprendizado e do conhecimento oferecido por este tipo de curso se baseia em questões práticas e cases reais, comuns no dia a dia da grande maioria das empresas. Traduzindo: a pós lato sensu deixará você mais preparado para exercer determinada profissão com maestria.

Por fim, vale ressaltar que o formato deste tipo de pós é desenhado de maneira mais flexível, com duração mais curta, opções de cursos a distância e até aulas aos finais de semana, por exemplo. Tudo isso permite que pessoas que trabalham em regime integral tenham tempo para se especializar.

As recomendações para o modelo stricto sensu

Seja em qual área for, a base do conhecimento da nossa sociedade normalmente é criada dentro das universidades, por pesquisadores e cientistas. É na academia que novas teorias são desenvolvidas, conceitos revolucionários surgem e produtos incríveis são moldados, testados, aprovados ou rechaçados. Justamente devido à sua importância na criação e no compartilhamento do conhecimento é que muita gente sonha em seguir uma carreira acadêmica, tornando-se professor e pesquisador de determinada área.

Esse é o seu caso? Então a melhor escolha para você é seguir pelo caminho da pós-graduação stricto sensu! Só tenha em mente que, por possuir uma carga horária maior que a pós lato sensu, é mais difícil cursar um mestrado e, principalmente, um doutorado, trabalhando ao mesmo tempo. É preciso, portanto, ter disponibilidade para se dedicar a uma pós stricto sensu.

Normalmente, o conhecimento gerado a partir de suas investigações será voltado à pesquisa e ao compartilhamento dos resultados dentro do meio acadêmico e social. Já no caso dos mestrados profissionais, o cenário é um pouco diferente, visto que ele é um curso desenhado para um público que já atua no mercado de trabalho e que tem como objetivo transformar ou melhorar processos ou tecnologias vinculadas à sua área de atuação profissional.

A procura pela melhor instituição de ensino

Independentemente de sua escolha por uma pós stricto ou lato sensu, uma coisa é certa: você deve estar bastante atento na hora de decidir em qual instituição ingressar. Com o crescimento da demanda nos últimos anos, a oferta de cursos de pós-graduação no Brasil inteiro aumentou de maneira significativa. E apesar de isso ser uma excelente notícia, também pode gerar alguma confusão na hora de se decidir.

Em função disso, antes de fazer sua matrícula, tire um tempo para pesquisar um pouco mais a fundo as opções disponíveis. Esse cuidado poderá evitar dores de cabeça e arrependimentos depois. Anote aí: escolher uma instituição de qualidade, aprovada pelo MEC, com professores qualificados e uma boa grade curricular é imprescindível na hora de garantir seu sucesso profissional.

E então, pós-graduação stricto ou lato sensu? Conseguiu definir qual dessas rotas está mais alinhada a seus desejos para o futuro? Se você achou este post útil e quer receber todas as novidades do blog diretamente em sua caixa de entrada, não deixe de assinar a nossa newsletter!

4 Comentários

  1. Brenda Stéphanesays:

    ótimo post , me ajudou bastante,estou ainda na graduação de ADM,mas é sempre bom planejar o futuro antecipadamente não é mesmo?!Parabens para quem redigiu o texto,muito claro e dinamico,agora partiuuuu escrever meu email na newsletter de vcs.Bjos

    • Isadora Gontijosays:

      Olá Brenda, agradecemos o elogio. Para você, que ainda está na graduação, é importante se familiarizar com os termos e suas diferenças justamente para antecipar-se e sair na frente dos demais.

      Continue acompanhando nosso blog, os conteúdos com certeza irão auxiliar em seu sucesso profissional. Boa leitura!

      Isadora Gontijo – Fundação Dom Cabral

  2. Sou idoso (74 anos), aposentado após trabalhar mais de meio século como mecânico regulador de motores e eletricista automotivo. Por foça da profissão já fiz muitos cursos técnicos mas, só agora aposentado, é que volto à escola para graduação normal. Como sou muito observador e anos observando a vida vejo que o caminho é estudar, até para o bem da humanidade. Essas informações de quem é o quê (lato, strictu, MBA…etc.) é de uma importância que muita gente não têm noção de quão isto pode redirecionar os caminhos de alguém. Obrigado!

  3. Sou idoso (74 anos) e, após mais de meio séculos trabalhando como mecânico regulador de motores e perito em eletricidade automotiva, por força da profissão fiz uma imensidão de cursos profissionalizantes da minha área, mas, só agora volto às aulas para melhorar minha graduação escolar e me atualizar com o mundo. Os da minha geração me taxam de maluco, “gagá”, mas enxergo que para entender a vida como ela é o caminho é o estudo, independente da idade. Avós semianalfabeto poderiam contribuir muito se voltassem a estudar e acompanhar os deveres de casa dos netos ao invés de entupi-los de doce e obesidade. Pelo trabalho dos pais é comum netos ficarem com avós. Obrigado!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"