Gestão de pessoas: 14 dicas para liderar uma equipe de sucesso

Está focado em crescer na carreira e, quem sabe, se tornar um gestor? Então a liderança é uma habilidade indispensável para que consiga atingir sua meta! O papel do gestor é, basicamente, garantir que haja coesão e progresso contínuo no trabalho desempenhado pela equipe, mesmo que os colaboradores sejam muito diferentes uns dos outros.

Para isso, grande parte do trabalho de um líder sai do campo das atividades técnicas, indo em direção à gestão de pessoas. É exatamente esse direcionamento que levará seu time ao sucesso. Quer saber, na prática, como isso é feito? Então confira agora mesmo as nossas 14 dicas de gestão de pessoas!

1. Preste atenção à formação da equipe

Uma das dicas de gestão de pessoas mais importantes começa já mesmo no processo seletivo. São muitos os gestores que pecam ao achar que não há segredos para uma boa contratação e que acreditam que qualquer probleminha pode ser consertado com o tempo. Mas na verdade, com o passar do tempo, esse “problema” pode se transformar em uma bola de neve.

De fato, algumas lacunas em relação a conhecimentos técnicos ou questões comportamentais por pura inexperiência podem sim ser corrigidas. Porém, se o profissional não compartilha dos valores e da ética de trabalho ou não acredita na missão da empresa, não há como fazer mudanças e a convivência se tornará impossível. O pior é que ainda pode afetar negativamente o desempenho do restante do time.

Então nada de analisar só o currículo dos candidatos no recrutamento, ok? O ideal é desenvolver métodos para identificar também seu perfil pessoal.

2. Promova o desenvolvimento de competências

Você pode aumentar ainda mais o potencial de sucesso dos seus colaboradores ao promover ações formais para o desenvolvimento de novas competências e a aquisição de conhecimentos relevantes. Para proporcionar esse crescimento existem diversas alternativas. Por exemplo: que tal estabelecer um programa de educação corporativa, com palestras, treinamentos e workshops na empresa?

Você também pode oferecer subsídios para os colaboradores que desejem se qualificar de outras maneiras, como fazer um curso de idiomas ou uma especialização.

3. Procure dar bastante feedback

Tanto positivos como negativos, os feedbacks podem ajudar (e muito) na melhoria contínua da equipe. Afinal, é a partir de avaliações e comentários que os colaboradores conseguem saber com clareza o que precisam mudar e o que está dando certo.

Manter uma comunicação aberta e transparente é essencial, mesmo quando o elogio ou o conselho parece ser óbvio. Além do mais, o feedback ainda demonstra que o trabalho de cada um vem sendo atentamente acompanhado e valorizado.

4. Conheça e confie nos colaboradores

O pior erro que um gestor pode cometer é não conhecer as forças e fraquezas da sua equipe ou não confiar em cada membro do time. Essa postura cria um afastamento que, consequentemente, distancia ainda mais as duas partes. É simplesmente impossível fazer a gestão de pessoas que você não conhece!

Pense bem: como conseguirá escolher o mais indicado para cada tarefa ou apontar aqueles que merecem uma promoção? Para piorar, isso também se reflete na percepção que os colaboradores têm do líder. Se não confia nas pessoas que você mesmo selecionou, como elas poderão acreditar na sua competência em gestão e liderança?

5. Aprenda a delegar

Ao mesmo tempo em que delegar tarefas é um ponto central para a gestão de pessoas, é também um aspecto que normalmente apresenta diversos problemas. Isso porque, ao delegar qualquer tarefa, deve existir um equilíbrio no nível de acompanhamento da equipe.

Você não pode exercer controle demais, pois seus colaboradores precisam desenvolver responsabilidade e autonomia para executar o que foi pedido; tampouco pode se afastar completamente, pois a equipe pode precisar de orientação para atingir os resultados esperados. Para acertar na dose, tenha em mente que seu trabalho deve ser de facilitador, nunca de capataz.

6. Assuma responsabilidades

Delegar tarefas não significa abrir mão do controle e das responsabilidades. Pelo contrário! Com a liderança, as responsabilidades só aumentam!

Se você tem dificuldade de assumir responsabilidades, então ainda não está pronto para liderar. Uma das características mais relevantes de gestores é a capacidade de tomar boas decisões. Eles precisam mobilizar o trabalho em equipe, entender as exigências dos seus superiores e dos clientes, e fazer acontecer.

Outra característica essencial de um líder é assumir as rédeas quando as coisas dão errado. Isso não quer dizer assumir tarefas da empresa que não terá tempo de cumprir ou se sobrecarregar. É preciso agir com parcimônia, e como dissemos anteriormente conhecer as habilidades dos seus colaboradores para compartilhar responsabilidades com inteligência.

7. Estimule o trabalho em equipe

A coesão é um dos elementos-chave que o gestor deve promover com sua liderança e ela se manifesta exatamente por meio do trabalho de equipe. É preciso, assim, fazer a integração entre os funcionários. Já pensou que, da mesma maneira que você precisa conhecer e confiar em cada um, eles também precisam conhecer e confiar uns nos outros?

Sem contar que os colaboradores devem ser estimulados a participar mais, apresentando suas ideias e soluções, realmente se engajando com os projetos do setor e disposta a dividir o trabalho entre si. Nesse cenário fica fácil observar uma melhora significativa na produtividade e na qualidade dos resultados.

8. Desenvolva a cultura organizacional

A cultura organizacional é o conjunto de valores que permeia todo o trabalho de uma empresa e as relações que se estabelecem dentro dela. Pode-se ter como parte da cultura, por exemplo, a transparência, a responsabilidade e a busca pelo crescimento.

Formalizar uma cultura organizacional construída em cima de valores positivos aumenta a consciência dos colaboradores a respeito de suas expectativas. Não se trata de impor normas de comportamento, mas sim de lembrar às pessoas que, mesmo sendo um ambiente competitivo, ainda é preciso conduzir o trabalho com ética. E você, como líder, deve ser o primeiro a ensinar pelo exemplo.

9. Ouça mais

Nesse caso, estamos nos referindo à importância de valorizar o que a equipe tem a dizer. Mais que o gestor, a equipe está na frente do trabalho, conseguindo por isso trazer informações fresquinhas sobre o que está acontecendo tanto com os clientes como com os fornecedores, com o mercado em geral e até mesmo dentro da própria empresa.

Então entenda desde já que os colaboradores são fontes extremamente estratégicas, além de poderem ter ideias inovadoras. O gestor que não ouve os comentários e conselhos da sua equipe não só está sujeito a perder seu apoio como pode cometer erros graves no processo de tomada de decisões.

10. Trabalhe para motivar

Um dos problemas que mais podem afetar a produtividade e os resultados de uma empresa é a falta de motivação dos seus colaboradores. E isso acontece por diversos motivos: desde problemas de relacionamento até falta de propósito e identificação com o trabalho que realizam.

É aí que entra o líder. Ele precisa estar atento a tudo o que acontece ao seu redor, especialmente às mudanças. Se o desempenho de uma equipe anda baixo é preciso entender o porquê e como lidar com essa situação.

O salário é um ponto a ser considerado, mas não é o único. Muitos profissionais são motivados por outros tipos de benefícios, como: oportunidades de aprendizado, uma jornada de trabalho flexível ou um trabalho desafiador. Sendo assim, lembre-se também de:

  • reconhecer e valorizar o trabalho feito, dando feedbacks positivos e pensando em programas de premiação por resultados;
  • demonstrar que você está disposto a investir no crescimento do profissional dentro da empresa, apostando em projetos de capacitação e treinamento, além de planos de carreira de longo prazo;
  • mostrar que você se importa com o bem-estar e a saúde dos colaboradores, implementando iniciativas de saúde e segurança do trabalho;
  • deixar claro que você não se sente superior à equipe, promovendo atividades informais de integração com a sua participação, e investindo na formação de novos líderes, no futuro.

Essa busca por novas formas de aumentar a motivação e a satisfação do colaborador deve ser contínua. Afinal, esse é o ativo mais importante da sua empresa.

11. Não trate o colaborador como uma máquina

Você já assistiu ao filme “Tempos Modernos”, protagonizado por Charlie Chaplin? Se não, deve ver ainda hoje! O filme faz uma crítica contundente ao modelo de trabalho criado pelo sistema capitalista, com trabalhadores produzindo quase exaustivamente e sem qualquer tempo para pausa.

Mesmo sendo uma história dos anos 30, esse enredo ainda é recente. Muitas empresas ainda enxergam os seus colaboradores como máquinas, em que basta ajustar alguns botões e trocar o óleo para conseguir máxima performance.

O problema é que já estamos em 2018 e continuar seguindo essa ideia é uma receita para o fracasso. Profissionais, antes de tudo, são pessoas com objetivos, expectativas e problemas. Eles são indivíduos e, portanto, afetados por fatores muito mais complexos. E sua função como líder é saber respeitar essa realidade e tentar entender que assim como você, eles terão dias ruins, períodos de baixa produtividade e dias em que vão falhar.

12. Tenha cuidado com os rótulos

Em muitos casos, gestores já assumem uma equipe pronta e simplesmente não conseguem estabelecer uma boa relação com determinados colaboradores. E daí começam os problemas. Em vez de resolver conflitos e explorar potencialidades, muitos se tornam juízes e limitam os membros da equipe à rótulos, como: preguiçosos, incompetentes ou desorganizados.

Dentro de um ambiente profissional, você sabe para que servem esses rótulos? Apenas para atrasar o crescimento dos profissionais e da própria empresa! É difícil durante qualquer convivência não criar uma imagem sobre uma pessoa. Mas o líder não pode deixar que a sua impressão atrapalhe as chances de um profissional crescer, se desenvolver e fazer um bom trabalho.

Cada pessoa é única e enxergá-las apenas como marionetes para o seu ego ou exigir que elas façam sempre o que você espera não são atitudes muito realistas. E estão bem longe de uma boa liderança.

13. Seja coerente

Um dos principais problemas de liderança é a falta de coerência. Ela se manifesta bem em líderes que exigem organização, mas nunca conseguem lembrar de nenhum prazo; que vivem mudando de ideia sobre aquilo que pensam e esperam; e pior, que criam objetivos que estão fora da realidade do mercado e jogam a responsabilidade nas costas dos profissionais diante do fracasso.

Anna Wintour, editora-chefe da Vogue, por exemplo, é considerada uma chefe extremamente exigente e até mesmo temida. No entanto, é constantemente elogiada pelos seus colaboradores pela sua consistência. Ou seja, ela não cria metas inatingíveis ou muda de opinião de um dia para o outro. Algo que muitos gestores fazem e exigem que a equipe acompanhe o mesmo comportamento bipolar.

Não estamos dizendo que você deve imitar o perfil desse ícone da moda. Chefes carrascos só conseguem intimidar e desmotivar quem está ao seu redor. A dica é criar um modelo coerente de gestão, encorajando a sua equipe e criando metas e desafios que eles serão capazes de cumprir.

14. Não crie um personagem

Bonzinho ou tirano? Chefe linha dura ou liberal? Em que tipo de perfil você mais se encaixa? Muitos líderes sofrem tentando encontrar e manter um personagem adequado para comandar a sua equipe. Diferente do que muitos pensam, ser um bom gestor não tem nada a ver com vestir uma máscara para ganhar o respeito dos seus comandados.

Uma das principais dicas de gestão de pessoas é: seja sempre você mesmo! E caso não se sinta satisfeito com a sua postura no relacionamento com a equipe há sempre maneira de se aperfeiçoar. Uma delas é a incorporar pontos positivos dos diferentes tipos de liderança, em vez de se focar em um modelo só.

Por exemplo: um líder liberal dá espaço para a sua equipe compartilhar ideias e sugerir mudanças, e isso é algo muito positivo. No entanto, exagerando em sua postura amigável ele pode perder a autoridade diante dos colaboradores. Nesse caso, um pouco das características da liderança situacional e até mesmo autocrática seria bem-vindo.

Como você pôde perceber, a gestão de pessoas é um trabalho que começa desde a formação da equipe e, na verdade, não acaba nunca. E para exercê-la com sucesso é preciso se aperfeiçoar constantemente e se ater às suas ações. Até mesmo as que parecem irrelevantes.

Um simples “como você está?” pode dar a um colaborador a sensação de que você é um líder acessível, que se preocupa com ele. E são detalhes como esse que afetam fortemente o desempenho do time como um todo.

Gostou das dicas deste post? Quer aprender ainda mais sobre o assunto? Então não deixe também de baixar o nosso guia completo com outras dicas de gestão de pessoas nas empresas!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"