Tudo o que você precisa saber sobre o networking

Encontrar boas oportunidades de carreira não depende apenas de diplomas, títulos e processos seletivos. Existe uma prática que pode contribuir para que talentos sejam vistos e cobiçados: estamos falando do networking.

Prospectar e ser prospectado se torna algo mais natural e produtivo quando se tem uma rica rede de contatos profissionais. Isso vale para quem está em busca de (re)colocação; para quem precisa preencher vagas com pessoal qualificado e diferenciado; e, também, para quem procura mapear e identificar potenciais clientes ou parceiros para a realização de negócios em startups e empresas de todos os portes.

Neste post, abordaremos a relevância dessa prática e listaremos alguns direcionamentos sobre como fazer networking de qualidade e ter o tempo investido da forma mais produtiva possível. Siga a leitura e perceba a importância de criar um terreno favorável para trilhar caminhos positivos na trajetória profissional, por meio de uma teia valorosa de relações.

O que é networking?

Em inglês, “net” significa rede, e “work”, trabalho. Aproveitando essa semântica, “networking” expressa a habilidade de construir redes de contato, mas não só isso. O sentido só se completa quando há a capacidade de manter e de ampliar as conexões estabelecidas, com a finalidade de cultivar interações profissionais em diversos ambientes. Aqui, a perspectiva do relacionamento deve ser prioridade.

No meio empresarial, o termo é amplamente utilizado e envolve o grupo de contatos que uma empresa ou um profissional precisa manter próximo e ativo para capturar algum tipo de retorno. Por exemplo:

  • conhecer fornecedores;

  • viabilizar vendas;

  • atrair clientes;

  • oferecer serviços;

  • coletar informações estratégicas.

O networking acaba sendo um encontro de pessoas que podem oferecer suas qualidades, com aquelas que precisam agregar à sua carreira ou ao seu empreendimento profissionais gabaritados e interessados em crescimento. A tática é diferente do simples ato de socializar, pois o foco não é manter-se popular, ter uma roda de amigos para lazer ou para programar uma viagem em grupo.

Tudo isso pode até acontecer, sim, mas é importante que a intenção em gerar um valor agregado aos interesses profissionais não se perca. Mais do que “ser bem relacionado”, é preciso interagir com as pessoas certas, ser lembrado por quem pode oferecer retornos para um desenvolvimento de carreira.

Como você pode ver, não se trata de uma habilidade meramente relacional: ela tem um cunho empreendedor, de visão de negócios também. É por isso que saber tecer um networking é uma aptidão tão valorizada em seleções de pessoal. Ela representa uma facilidade em articular pessoas em prol de objetivos específicos.

Recrutar candidatos que apresentem essa facilidade é trazer para a empresa pessoas com a qualidade de:

  • identificar oportunidades;

  • intervir em uma conversa na hora certa;

  • ter abordagens certeiras;

  • usufruir do poder de influência;

  • fazer amarrações produtivas.

Portanto, um networking bem construído traz não só uma rede profissional para troca de experiências e informações, mas também potencializa oportunidades por meio de relacionamentos sólidos e, quem sabe, duradouros.

Quais os benefícios do networking bem construído?

Manter bons relacionamentos e aumentar o círculo social é bom, mas não é suficiente para uma visão empresarial ou de carreira.

Networking vai além e abre janelas de oportunidade para que sejam usufruídas a curto, médio e longo prazos. Por isso, é importante elas estarem sempre abertas, já que não se sabe quando será necessário lançar mão desse recurso. O ideal é planejar ascensão profissional e ampliação dos negócios, mas nem sempre isso é possível.

Além disso, o simples fato de conviver com pessoas inspiradoras abre a mente para o novo, para o desconhecido, para outras visões de mundo. Isso contribui para nossa capacidade de reconhecer e aprimorar boas ideias e de ampliar nosso potencial criativo.

Manter-se conectado é uma postura que traz ganhos e que, nos moldes atuais do mercado, deixou de ser opção e virou algo essencial para empresas e para profissionais.

Para deixar mais claro quais são as vantagens de se estabelecer um bom networking, listamos alguns retornos que tanto negócios quanto pessoas podem alcançar. Acompanhe!

O que os profissionais ganham

Com um networking bem constituído, profissionais de todas as esferas — iniciativa privada ou pública, liberais e consultores — passam a contar com:

  • uma rede de contatos útil em diversas ocasiões da carreira;

  • melhores chances de colocação no mercado;

  • maior satisfação e qualidade de vida no trabalho, por poderem ter apoio em diversas especialidades e ocasiões;

  • diferenciação perante outros profissionais com uma rede limitada ou com postura individualista;

  • interesse das empresas no perfil conciliador, negociador e comunicativo;

  • oportunidade para desenvolver liderança;

  • contato com referências relevantes no mercado de trabalho;

  • troca de experiências;

  • acesso a informações que podem ter utilidade estratégica;

  • abertura de caminhos para ascensão profissional;

  • maior exposição para que o profissional seja visualizado por “caçadores de talentos”;

  • satisfação em auxiliar outras pessoas — afinal, networking é troca;

  • possibilidade de conhecer conexões de outras pessoas e perceber onde é oportuno estar inserido;

  • contato com profissionais que aprimoram e complementam as competências acumuladas;

  • oportunidade de aperfeiçoamento, a partir de um senso crítico a respeito de pontos fracos que ficam nítidos diante das qualidades alheias;

  • melhoria dos projetos em andamento, a partir do conhecimento de vivências de outros profissionais.

O que as empresas ganham

O networking é altamente proveitoso não apenas para pessoas físicas, mas também para os negócios. Alguns dos benefícios para o meio empresarial são:

  • novos parceiros para incremento do negócio — na condição de fornecedor, prestador de serviços, sócio ou investidor;

  • alcance de clientes em potencial e aprofundamento da relação com a base atual;

  • incremento das vendas;

  • maior visibilidade da empresa, tornando-a mais conhecida em um círculo de pessoas de interesse por poderem agregar algum valor ao negócio;

  • aumento do poder de influência dos gestores e da marca como um todo;

  • detecção de oportunidades de negócio;

  • formação de alianças estratégicas, especialmente com consultores que podem otimizar o negócio com o conhecimento que eles têm do mercado;

  • melhores condições para aumentar a competitividade do empreendimento;

  • ampliação da relevância da marca no mercado;

  • empresas em fase inicial e startups podem abrir canais para fortalecer sua imagem e ajudar a ocupar um bom posicionamento no mercado.

Quais as armadilhas ao tentar estabelecer um networking?

Quem busca os benefícios listados acima deve, primeiramente, esquecer a ideia de que networking se confunde com uma atitude reprovável de “forçar amizades” ou “puxar saco” de quem pode trazer algum retorno favorável.

O conceito gira em torno de uma tática inteligente de articulação de forças em prol da carreira ou do sucesso da empresa. Não há mal algum em investir em aproximação, agregação de conhecimentos e ampliação do poder de influência.

Essa descrença no papel do networking faz com que algumas pessoas relutem em dedicar-se a ele. E, por não compreenderem ainda o valor de uma rede de contatos adequada, acabam perdendo boas oportunidades de crescimento.

Como você já entendeu a relevância dessa prática, vale prestar atenção a algumas ideias e práticas que nada colaboram para uma atuação produtiva no que se refere a conexões interpessoais. Evite essas armadilhas tanto quanto possível!

Esperar um momento de necessidade para atuar

Já mencionamos que um networking eficiente é aquele que cria e mantém janelas de oportunidade continuamente abertas. Assim, elas podem ser acionadas sempre que alguma necessidade surgir, especialmente as imprevistas.

Lembrar-se da rede de contatos só na hora do aperto não será produtivo e poderá gerar uma sensação de oportunismo, em que não há um cultivo e se espera apenas uma colheita. Ninguém gosta de se sentir usado ou explorado, e é isso que pode acontecer quando só se é lembrado nos momentos difíceis de alguém que se pretende parceiro.

Deixar a marca apagada ou desatualizada

Quem poderia se interessar por quem não demonstra zelo pelo desenvolvimento de sua imagem e de sua própria marca? Qual perfil em redes sociais será visualizado se ele não compartilha temas relevantes e não informa qual contribuição o profissional vem dando para algum trabalho, alguma causa?

Hoje, as vitrines não são mais só físicas, são cada vez mais virtuais. Investir em marketing pessoal digital é essencial para criar uma noção de legitimidade e propriedade em relação ao universo profissional onde se está ou se deseja inserir.

Levar conhecidos para eventos de trabalho

Uma vez que a tendência humana é se manter na zona de conforto, ficamos à vontade quando estamos acompanhados por quem já conhecemos.

Isso é um impeditivo para a abertura ao novo. Ficamos “com preguiça” de nos aventurar, baixar a guarda e iniciar uma conversa, entregar um cartão, pedir um e-mail ou telefone, iniciar uma nova conexão. Então, experimente ir sozinho ao próximo evento profissional e esqueça a ideia de que ficará deslocado.

Não se preparar para encontros profissionais

Em eventos do estilo feiras ou palestras com espaço para perguntas ao orador, não se deve relaxar e pensar que se trata de um passeio ou de um espaço apenas para ouvir.

É importante se preparar para saber em quais stands da feira podem haver contatos interessantes. E, também, para fazer uma pergunta marcante em um auditório, onde não só o palestrante perceberá sua presença, mas também outros potenciais membros de uma futura rede.

Deixar de fazer follow-up após um evento ou encontro

Contatos estratégicos são disputados no mercado. Não pense que eles se lembrarão de alguém com quem apenas esbarraram ou conversaram rapidamente em determinada ocasião.

Enviar um e-mail ou solicitar conexão em redes sociais com viés profissional demonstra que há interesse em criar um ciclo de compartilhamento de informações, troca de experiências e agendamentos posteriores para conversas mais próximas.

Perder uma oportunidade de se diferenciar

Quando se está diante de referências do mercado, é preciso ter um diferencial para que ele identifique um campo para estabelecer uma conexão, considerando que ela é uma via de mão dupla.

Então, deve-se evitar fazer as mesmas perguntas ou comentários que todos fazem. Dessa forma, o profissional não desperdiça a chance de impressionar, conquistar e atrair quem ele deseja para uma rede de contatos.

Pensar que não deve dar algo em troca

Networking não é apenas buscar recompensas. É uma rede de ajuda mútua na qual não cabe egoísmo, egocentrismo ou desprezo pelo membro que, muitas vezes, mais pede do que oferece.

Ao entrar em um grupo, não é legal focar apenas em retorno. Aliás, retorno é algo que volta quando, antes, algo é dado, oferecido, despendido. É natural pensar que senso de justiça e de gratidão deve estar presente em uma rede saudável de contatos.

Ter um comportamento imaturo e inoportuno

Certas atitudes chegam a irritar quem é abordado para uma tentativa de ingresso em uma rede de contatos. Reunimos, aqui, alguns comportamentos desagradáveis e que devem ser evitados a todo custo:

  • forçar intimidade com quem você não tem um relacionamento estabelecido;

  • exigir prioridade no atendimento quando há uma fila de espera para falar com o contato de interesse;

  • blefar sobre a existência de uma vaga na empresa, sugerindo que poderia ser o candidato ideal para a necessidade do cargo em aberto;

  • mentir sobre a indicação de alguém que você não conhece, na verdade, para chegar até a pessoa que lhe interessa;

  • usar o nome de terceiros sem permissão, para forçar uma aproximação com alguém;

  • ligar diretamente para alguém para se apresentar, sem um propósito específico ou uma necessidade real e pontual;

  • cobrar respostas e retornos, como uma indicação a determinada vaga em aberto;

  • desrespeitar limites de relacionamentos, como tomar muito o tempo do interlocutor ou fazer perguntas invasivas ou comentários inócuos e desnecessários.

Como desenvolver um bom networking?

Ser “networker” requer preparo e dedicação a várias conexões benéficas à vida profissional ou à prosperidade da empresa. Muitos recursos estão ao alcance de quem deseja se firmar como uma referência atrativa e também para quem quer se cercar de uma rede de pessoas e de profissionais que podem trazer um valor a mais para a carreira.

Vamos destacar agora algumas iniciativas, comportamentos e posturas que contribuem para montar redes fortes. Nos itens a seguir, observe que fazer um networking exige esforços e aperfeiçoamento contínuo!

Aparente ser o que é

Manter um personagem para “enganar” o mercado exige muita dedicação. Por que não usar esse esforço para manter uma imagem calcada na honestidade e na demonstração apenas das qualidades que você realmente tem?

Sustentar aparências é complicado, porque quem busca uma rede quer sinceridade recíproca. A melhor forma de ter uma boa reputação é ser transparente e não causar decepções em quem poderia vir a ser um parceiro estratégico em algum momento da carreira.

Seja organizado

Criar um networking é um trabalho permanente e que exige cuidados. Imagine encontrar um executivo que você conheceu em uma empresa e, sem saber que ele agora atua no concorrente, pergunta como vão as vendas da empresa na qual ele tinha um cargo anteriormente?

Para evitar situações embaraçosas como essa ou até não conseguir localizar um contato em um momento crucial, é fundamental manter uma agenda com informações atualizadas. Existem diversos aplicativos móveis úteis para essa finalidade.

Selecione os contatos certos

Muitas vezes, participamos de cursos e eventos e reencontramos pessoas conhecidas que nos pedem nossos contatos. Mas existe uma diferença considerável entre ser colega ou amigo e ser parceiro de empreitadas profissionais.

Daí começam as mensagens com tom de corrente ou com piada para descontrair, ou seja, a pessoa só quer ser popular. Isso é perda de tempo e mostra como é relevante escolher os contatos certos para ter um networking que possa trazer bons frutos.

Esteja acessível

Quem está na chuva é para se molhar, concorda? Por isso é importante estar aberto para ser encontrado por pessoas relevantes e pelas não tão benquistas também. Afinal, não dá para saber de antemão quando algum potencial parceiro baterá à porta.

Nossa dica é que você procure separar o joio do trigo e não gastar tempo com quem não aparenta ter algo a oferecer.

Participe de capacitações de bom nível

Qual o perfil dos profissionais que estão realizando especializações e se dedicando para obter títulos e tornar seu currículo mais robusto? Certamente esses profissionais buscam o mesmo que aqueles que enxergam em um networking boas chances de crescimento.

Além de manter-se atualizado, é importante participar de cursos “bem frequentados” para ampliar as oportunidades de contato com pessoas influentes e com espaço reconhecido em seu campo de atuação. Pense que a relação pós-graduação e networking pode trazer um custo-benefício bastante favorável, por exemplo.

Tenha uma reputação positiva

Pode parecer que ter uma reputação é algo restrito a quem já é referência no mercado, mas não é bem assim. Hoje, existe um meio para se alcançar autoridade e se tornar conhecido por isso.

As mídias sociais abriram um valioso canal de exposição de profissionais, desde que estes tenham conteúdo de qualidade para apresentar, discutir e assinar. O caminho dos blogs de perfil em redes sociais como o LinkedIn deve ser explorado para que a presença digital seja notada por uma rede virtual de contatos.

Ouça mais, fale menos

Muitas pessoas pensam que demarcar território é esgotar todas as possibilidades de “aparecer”. Falam demais, monopolizam conversas, cansam o interlocutor.

O segredo é deixar a timidez de lado e ser perspicaz nas abordagens, demonstrar conhecimento e ganhar a confiança e simpatia dos contatos. Lembre-se de que bons argumentos valem muito mais do que um tom de voz elevado.

Busque qualidade em vez de quantidade

Uma rede de contatos inflada não significa uma rede de relacionamentos. Esta, sim, mostra que o profissional pode contar com apoio quando tiver uma necessidade de compreender melhor um assunto que ele não domina, de ter referências sobre um fornecedor a ser contratado, de vagas de emprego adequadas para seu perfil.

Ser um verdadeiro viciado em networking consome energia e só traz resultados se houver um intercâmbio de interesses e compartilhamento de recursos e de forças. O ideal é ter a capacidade de ser filtro, não uma esponja que sai por aí acumulando “lixo” e impurezas para seus ambientes e cotidiano de trabalho.

Tenha bom senso acima de tudo

Educação e polidez, aliadas à capacidade de ser acessível e carismático, fazem de um profissional um ponto de referência cobiçada no mercado. É preciso ter bom senso para saber quando recuar, insistir em um ponto de vista e também se comportar adequadamente, prezando por:

  • conversas sempre direcionadas e com um objetivo específico a ser atendido;

  • informações sobre sua atuação profissional sempre atualizadas;

  • discrição no caso de mencionar outro profissional, tendo o cuidado de evitar críticas ou desmerecer a pessoa ou o trabalho realizado;

  • respostas prontas para perguntas de pessoas que possam sondá-lo para alguma vaga ou convidá-lo para alguma parceria;

  • iniciativa de curtir, comentar e compartilhar postagens dos contatos, como forma de valorizá-los e de instigá-los a fazer o mesmo;

  • comunicação fluida e transparente, sem a necessidade de “dourar a pílula” para demonstrar conhecimento ou superioridade perante quem quer que seja;

  • dar e receber feedbacks de forma adequada, para a manutenção de relacionamentos respeitosos;

  • respeito aos concorrentes, suas ideias e valores;

  • pontualidade nos encontros presenciais e virtuais, já que hoje o tempo é um ativo raro para qualquer profissional.

Que tal começar a investir no seu networking?

O papel do networking é justamente gerar oportunidades para que demandantes e ofertantes se encontrem e estabeleçam uma relação. Lembrando que as posições não são fixas: hoje você busca uma vaga de trabalho, amanhã precisa de um colaborador para completar seu time.

Planejar uma carreira ou a expansão de um negócio é também pensar com muita seriedade em onde, com o que e com quem estão sendo gastos recursos cada vez mais escassos, como tempo e dinheiro. Se você deseja construir uma rede de contatos e de relacionamentos, transforme esse investimento em um benefício real.

Uma carreira bem-sucedida é baseada em permuta de informações, conhecimentos, dicas, ferramentas e, por que não, gentilezas profissionais e corporativas. Buscar sempre fortalecer a conexão com contatos relevantes é uma maneira de aproveitar oportunidades no mercado de trabalho e estreitar negociações empresariais.

Quem não faz networking está abrindo mão de um recurso poderoso e precisa mudar seu mindset o quanto antes. Reconhecer o valor de uma rede de qualidade é estar preparado para o acaso, é planejar-se para o que está por vir, é garantir que toda possibilidade será revertida em favor da carreira ou do negócio.

Mantenha-se atualizado sobre temas, técnicas, metodologias e ferramentas úteis para se destacar em seu campo de atuação. Para isso, assine nossa newsletter e receba tudo diretamente em seu e-mail!

 

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"