Tudo que você precisa saber sobre a especialização em gestão de pessoas

 

Você certamente sabe que o mundo corporativo passa constantemente por mudanças em sua dinâmica. Mas será que sabe também o que está acontecendo agora? Responda: qual é a mudança mais significativa do momento? Acertou se disse que a revolução envolve o foco das organizações!

É simples: se antes as máquinas eram o patrimônio mais valioso das empresas, agora essa característica recai sobre os colaboradores, considerados fontes essenciais para promover diferencial competitivo. Afinal de contas, seja na produção, no relacionamento com o cliente ou no modelo de negócio, são esses profissionais que criam as oportunidades de inovação!

O mais interessante é que, conforme aumenta o peso sobre os recursos humanos, um outro movimento pode ser observado: o aumento da demanda por profissionais especializados na gestão de pessoas. Em outras palavras, as empresas precisam de colaboradores capacitados para assegurar que o potencial da equipe de trabalho será bem aproveitado. E se você fosse esse profissional?

Pensando nisso, preparamos um guia completo sobre a especialização em gestão de pessoas. Vamos ajudá-lo a entender a estrutura e a real importância desse curso, além de apresentar os principais desafios, as maiores tendências e até as oportunidades mais promissoras para os profissionais que escolhem seguir esse caminho. Ficou interessado? Então boa leitura!

Quais são os maiores desafios da gestão de pessoas?

A verdade é que não são poucos os desafios encontrados pelo caminho de quem decide trabalhar com a gestão de pessoas. Mas a boa notícia é que você terá uma boa noção do que esperar assim que ler este tópico. Confira!

Não existe fórmula mágica

Por lidar com muitas variáveis e subjetividades, a gestão de pessoas é uma área de alta complexidade. Para não deixar sequer sombra de dúvida, vamos colocar em outras palavras: pessoas não são números. Por isso, não existe uma fórmula única e comprovada para obter os resultados esperados. E aí está um dos principais desafios da gestão de pessoas!

Na prática, o que funciona para uma empresa pode não funcionar nada para outra. Aliás, mesmo dentro de uma mesma empresa, equipes diferentes reagem a estilos de gestão diferentes. E para definir qual é a melhor abordagem, é necessário avaliar caso a caso, considerando suas particularidades.

Imagine um ambiente de trabalho com colaboradores de idades diferentes. Você já ouviu falar nas gerações X e Y? Pois esses termos são usados simplesmente para designar pessoas que nasceram em períodos e contextos distintos. O detalhe é que só esse fato já gera um impacto direto em suas personalidades dentro do ambiente corporativo.

Um gestor de pessoas precisa estar ciente dessas diferenças para interagir da maneira mais apropriada possível com cada colaborador. Afinal, uma determinada técnica de motivação pode trazer excelentes resultados com um profissional da geração X, mas ser um fracasso total com um profissional da geração Y.

A geração X normalmente se sente motivada por estabilidade e perspectivas de crescimento a longo prazo, por exemplo. Já a geração Y se sente motivada pela possibilidade de crescimento rápido, tendendo a abandonar a empresa caso não consiga logo uma promoção ou um aumento.

A partir desse cenário, podemos concluir que, para fazer uma gestão de pessoas efetiva, é preciso ter flexibilidade. O gestor deve se adaptar à equipe e não o contrário. Além disso, também é preciso desenvolver uma visão mais humanizada dos colaboradores, entendendo que emoções, crenças e valores provavelmente vão sim influenciar seu trabalho.

O foco é voltado para o outro

Outro grande desafio da gestão de pessoas é a missão de desenvolver talentos. Para cumpri-la, o gestor precisa identificar tanto as aptidões como as deficiências dos colaboradores, contribuindo para que eles aprimorem seu desempenho. Não se esqueça, afinal, de que o sucesso do gestor depende diretamente do sucesso de cada membro da sua equipe, uma vez que ele não cresce sozinho.

É claro que, para conseguir um resultado como esse, é preciso muita sensibilidade. O gestor deve estar atento aos outros, a fim de captar suas necessidades e incentivar a colaboração. E pode acreditar: uma das maiores dificuldades que os profissionais encontram para fazer uma boa gestão de pessoas é justamente executar esse movimento de desprendimento.

Muitos profissionais têm uma tendência natural a centralizar e individualizar. Já ouviu aquele famoso ditado que diz que se você quer algo bem feito, faça você mesmo? Aí está um slogan que exemplifica bem esse problema. Mas esse é exatamente o tipo de comportamento que deve ser evitado na gestão de pessoas, ok?

A gestão de pessoas exige o desenvolvimento de certas capacidades imprescindíveis para o bom andamento do trabalho. Aí entram as habilidades de ouvir ideias, aceitar sugestões e delegar tarefas, por exemplo. Também é preciso ter disposição para assumir, junto à equipe, as consequências dos eventuais erros de percurso. E ainda há um outro ingrediente crucial nessa mistura: usar os problemas como oportunidades para ensinar e não como motivos para punir.

Para finalizar, é válido mencionar que a gestão de pessoas vem sendo muito associada à noção do líder como facilitador. Seu papel é dar apoio para que a equipe consiga realizar seu trabalho. É, assim, uma figura menos proeminente — embora não menos importante. Para oferecer esse nível de autonomia, é preciso ter a confiança de que os colaboradores estão bem orientados e são capazes de corresponder às expectativas.

Manter o equilíbrio é essencial

Além de tudo isso, o desenvolvimento dos profissionais da equipe também exige que sejam tomadas decisões que, pelo menos a curto prazo, parecem contraintuitivas. Quer um exemplo? Talvez você ache que dispensar um colaborador do trabalho por uma semana é algo negativo. No entanto, se essa dispensa estiver relacionada a um curso de capacitação, o retorno em produtividade a longo prazo poderá compensar as perdas imediatas.

Ao realizar uma atividade para o desenvolvimento dos colaboradores, você vai se deparar com essa mesma questão. Será que o investimento vale a pena? Na verdade, tudo depende do reflexo que tal atividade terá em fatores como produtividade e qualidade do trabalho executado. E nem precisamos dizer que medir a relação entre custo e benefício não é tão simples, certo?

No fim das contas, essa visão não é apenas bem-vinda, mas realmente necessária na gestão de pessoas. Em última instância, o ideal é apoiar e desenvolver ações que beneficiem tanto o colaborador quanto a empresa. Anote aí: visões unilaterais raramente trazem bons resultados.

Se tivermos que resumir, então, os maiores desafios da gestão de pessoas, acabamos com a seguinte lista:

  • flexibilidade e humanização;
  • foco no desenvolvimento dos colaboradores;
  • descentralização do poder em prol de uma abordagem participativa na gestão;
  • equilíbrio entre os interesses da equipe e da empresa.

Será que você consegue pensar em outros desafios da gestão de pessoas?

Quais são as tendências em gestão de pessoas?

A gestão de pessoas deve incorporar rapidamente as novas tendências, dinamismo necessário para acompanhar a evolução das demandas dos colaboradores e, claro, trazer bons resultados para a empresa. Atualize-se já!

Mídias sociais

Um dos melhores exemplos de como a gestão de pessoas acompanha a evolução da sociedade é a adoção das mídias sociais como ferramentas para recrutar e reter talentos. Na fase de recrutamento, essas plataformas servem de fonte de informação sobre os candidatos, permitindo que o gestor entenda melhor suas opiniões e seus posicionamentos.

Não é novidade, afinal, que muitas organizações visitem o perfil dos candidatos no Facebook, Twitter e LinkedIn, por exemplo, antes mesmo de darem o próximo passo no processo de seleção. Assim, quem usa esses meios para fazer afirmações polêmicas ou se envolver em conversas de baixo calão pode nem ser chamado para uma entrevista!

Já na fase de retenção, as mídias sociais servem como canais para manter uma comunicação aberta e mais próxima com os colaboradores, aumentando seu engajamento com a equipe e a empresa. Algumas empresas chegam a criar uma rede social interna para que todos possam compartilhar suas ideias e seus interesses. Pense bem: das interações estabelecidas por meio dessas redes podem surgir oportunidades valiosas de inovação!

Carreira em W

Outra tendência bem forte no universo da gestão de pessoas está relacionada ao plano de carreira. Esse elemento pesa bastante para promover a satisfação dos colaboradores, além de servir como guia para o desenvolvimento profissional. Seu papel é formalizar os caminhos que o colaborador pode seguir para crescer dentro da empresa, definindo com clareza os critérios usados para o avanço de cada degrau.

Surgiu recentemente um novo modelo de plano de carreira, bem alinhado às novas oportunidades de cargos que um colaborador pode assumir dentro da empresa. Trata-se do modelo em W, que permite que o colaborador decida entre 3 caminhos profissionais distintos. Ele pode focar em suas competências técnicas, chegando a um cargo de engenheiro sênior, por exemplo, bem como pode focar nas competências de gestão, chegando a diretor financeiro, ou, ainda, pode focar em projetos, que é a grande novidade desse modelo.

Essa última alternativa mescla competências e atividades tanto técnicas quanto de gestão, além de exigir que o profissional tenha contato e organize equipes de trabalho muito mais diversificadas. É um caminho de carreira de alta dinamicidade! E quem vai ajudar o colaborador a decidir se essa é a opção correta é seu gestor.

Job rotation

A gestão de pessoas também traz como tendência a prática do job rotation. Trata-se de uma rotação de funções. O melhor exemplo prático é o caso dos trainees, jovens recém-formados que, ao entrarem na organização, passam por um período de integração. Nesse tempo, eles experimentam cada setor da empresa para entenderem o negócio como um todo. Como resultado, ao assumirem cargos permanentes, podem desempenhá-los com muito mais consciência.

job rotation beneficia tanto o indivíduo quanto a empresa. O colaborador vai poder explorar suas preferências profissionais de maneira ampla. Assim, ele automaticamente cria mais confiança para definir o rumo de sua própria carreira. Por outro lado, a empresa terá profissionais mais preparados e com uma visão global do negócio. 

Relação trabalhista

A propósito, já que falamos em mobilidade, precisamos falar também sobre as novas formas de relação trabalhista, pois a gestão de pessoas tem que se adaptar a um cenário em que muitos colaboradores não estão ligados à organização da maneira tradicional. Isso se dá devido ao surgimento de novas possibilidades de relação empregatícia — como a contratação de freelancers ou o regime de home office.

Como você pode imaginar, tudo isso gera novas questões. Como acompanhar a produtividade de um colaborador que executa seu trabalho de casa? Como levantar uma crítica a um colaborador que nem tem um vínculo estável com a empresa? Até que ponto a mobilidade dos colaboradores, com a flexibilização dos horários de trabalho, pode influenciar o andamento das atividades da empresa?

Assim como em muitos outros casos, o bom senso é a principal ferramenta para responder a essas e tantas outras perguntas cabíveis. O profissional que trabalha na gestão de pessoas é quem deve exercer esse bom senso para equilibrar os interesses das partes envolvidas: equipe e empresa.

Qual o peso da especialização em gestão de pessoas?

O entendimento do curso

Está aí se perguntando sobre o funcionamento do curso de gestão de pessoas? Então vamos começar logo e já por um ponto bem importante: a abrangência dessa especialização, que traz um debate de questões extremamente relevantes — como ética, motivação, liderança, relações de poder e desenvolvimento dos colaboradores.

Ao mesmo tempo, o curso também oferece uma orientação sobre alguns aspectos práticos do negócio em si, como marketing e finanças. É claro que você não verá esses assuntos na mesma profundidade de uma especialização focada nas respectivas áreas, mas nada impede que, futuramente, você busque uma outra especialização para aprender mais sobre alguma delas, certo?

Outro aspecto a ser destacado é que a especialização em gestão de pessoas não vai simplesmente ensinar teorias da administração, mas abordará como agir frente a situações práticas, além de provocar o aluno a usar seu senso crítico para resolver problemas da melhor maneira possível. Ensinando o aluno a pensar, a instituição o prepara para caminhar com suas próprias pernas no futuro.

Antes de prosseguir, precisamos fazer mais um esclarecimento: muitos profissionais acreditam que a especialização em gestão de pessoas só é útil para quem pretende trabalhar no setor de recursos humanos. Mas essa visão está incorreta! Independentemente da área em que atua, se você é (ou pretende ser) responsável por um grupo de colaboradores, essa especialização será sim importante para seu crescimento, já que os conhecimentos que ela traz estão intimamente relacionados à formação e ao desenvolvimento de uma equipe.

Uma gestão de pessoas mais estratégica

Antes de assumir o compromisso com uma atividade de longo prazo, como é o caso de uma especialização, avalie o peso dessa decisão sobre sua carreira. Nesse momento, algumas perguntas certamente vão surgir. Será que você poderia aprender sozinho, só com a experiência? Por que é importante fazer um curso de gestão de pessoas? O que o curso trará como diferencial para seu currículo?

E a resposta mais simples consiste em dizer que o diploma de especialista, por si só, já tem um peso pra lá de positivo — especialmente, se você escolheu uma instituição de renome para fazer o curso. Afinal de contas, a formação no sentido tradicional ainda é um dos principais fatores para a seleção de candidatos aos cargos mais altos no mercado de trabalho.

Mas apenas ter um pedaço de papel não é o suficiente. Pelo menos não para um profissional que almeja o sucesso na carreira. O curso precisa agregar algo que você não aprenderia de outras formas. E é exatamente isso que a especialização em gestão de pessoas oferece! Quem faz esse curso não aprende simplesmente a liderar uma equipe. Seu verdadeiro diferencial está em saber como usar a gestão de pessoas para ajudar a empresa, exercendo uma gestão estratégica.

Temos que admitir: manter uma equipe feliz não seria uma tarefa muito difícil se a questão fosse apenas dar aos colaboradores tudo o que eles querem. Mas essa definitivamente não é a função do gestor de pessoas. Seu papel é manter a equipe motivada para que ela apresente um alto desempenho e, assim, leve o negócio a obter resultados positivos de maneira consistente. Tudo isso sem comprometer a empresa com práticas que gerem gastos desproporcionais ao retorno.

Por essas e outras é que o gestor precisa caminhar na interseção entre o que é bom para o colaborador e o que é bom para a empresa. Ele precisa entender as metas e demandas do negócio e, ao mesmo tempo, analisar e explorar o potencial da equipe, aplicando as ferramentas de gestão de pessoas a seu alcance para impulsionar as metas da empresa.

Como escolher uma boa especialização em gestão de pessoas?

Existem 5 fatores muito importantes que você precisa considerar em relação à escolha de uma especialização em gestão de pessoas. São eles:

  • abordagem;
  • corpo docente;
  • método de seleção;
  • suporte aos alunos;
  • condução do TCC.

Vamos entender melhor cada um deles?

Abordagem

Uma boa especialização deve, em primeiro lugar, trazer para a sala de aula a realidade das empresas. É importante trabalhar com casos reais ou simulados, abordando situações práticas em vez de se limitar apenas à discussão de teorias. Tais exemplos podem ser levados pelo material didático, pelos professores ou aproveitados do cotidiano dos próprios participantes. Quanto mais esse recurso for explorado, mais pertinente será a colaboração das aulas para seu trabalho.

Corpo docente

Outro fator que aponta para a qualidade da especialização é o corpo docente. Nesse caso, mais uma vez, a prática tem peso importante. Os professores são profissionais gabaritados que atuam no meio corporativo? Eles têm experiência com situações de gestão de pessoas? Tome cuidado com os cursos em que os professores possuem boa formação acadêmica, mas nada de experiência prática.

Lembre-se de que, como falamos desde o começo, em gestão de pessoas não há fórmulas mágicas. O que realmente faz a diferença é a sensibilidade caso a caso. E isso somente quem tem experiência prática pode ensinar.

Método de seleção

Muitos alunos não levam esse ponto em consideração para a escolha de um curso de especialização, mas a verdade é que ele também está relacionado à qualidade do ensino: estamos falando sobre o método de admissão dos alunos. Se o processo é rigoroso, a tendência é formar uma turma com alunos realmente interessados no aprendizado e desenvolvimento profissional. Com isso, as interações dentro de sala tornam-se mais proveitosas para todos.

Suporte aos alunos

Avalie também o tipo de apoio que a instituição oferece a seus alunos. Existe algum tipo de orientação, aconselhamento ou suporte? Tenha em mente que a especialização é um investimento em si mesmo. E para obter o máximo de retorno desse investimento, contar com o suporte de quem entende do assunto é uma garantia importante. Fazendo uma analogia, é como ter um consultor financeiro para ajudá-lo a decidir onde colocar seu dinheiro!

Condução do TCC

E não se esqueça de observar como o Trabalho de Conclusão de Curso da instituição é conduzido. O TCC é sua oportunidade para aplicar, de maneira transversal, tudo o que aprendeu ao longo da especialização. Com os conhecimentos adquiridos e seu pensamento crítico, você pode elaborar um projeto que alavanque sua carreira. Portanto, o ideal é que a instituição valorize esse trabalho e ofereça condições para que você o desenvolva com excelência.

A especialização em gestão de pessoas é uma aposta segura para garantir seu crescimento profissional. Mesmo que você já atue em uma área específica, pode aplicar os conhecimentos adquiridos nesse curso para se destacar e pleitear cargos mais altos. O que acharia de gerir uma equipe de trabalho com mais confiança, conquistando o respeito tanto dos superiores quanto dos subordinados?

Mais que isso, nenhum conhecimento adquirido na especialização em gestão de pessoas será desperdiçado. Por meio desse curso, você aprende a estabelecer relações melhores dentro do seu ambiente de trabalho, desenvolve suas habilidades de liderança e aprende a conduzir os profissionais à sua volta para formar um time unido. Com isso, sua experiência no trabalho torna-se mais tranquila e proveitosa!

Quer saber mais sobre gestão de pessoas? Então aproveite e faça o download do nosso guia básico para se transformar em um líder empresarial!

 

1 Comentários

  1. Sempre achei que Gestão de pessoas não estava igado diretamente ao RH, e isso se confimou nesse bom conteúdo. Acredito que o foco das empresas sempre tem que estar voltato para o os trabalhadores pois são eles os principais responsáveis pela satisfação de seus cliente, acredito firmemente que a excelência só é atingida com equipes 100% focadas e engajadas com os seus trabalhos para se obter esse nível é preciso ter mão de obra qualificada e um “Muito Bom” gestor de pessoal. Para a área que trabalho erros não fazem parte do nosso cotidiano por isso sou perceverante em meu trabalho todos os dias.

    Att. Marcel Marchiori.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"